1 de March de 2024

Descobre fatos surpreendentes sobre a lua que desconhecias.

As palavras iniciais proferidas por um indivíduo na superfície lunar são emblemáticas. No entanto, também são significativas as palavras do segundo astronauta.

Continua após a publicidade

“Bela, deslumbrante. Uma desolação magnífica”, exclamou com admiração Buzz Aldrin, astronauta da NASA.

Realmente, a superfície lunar em pó é um ambiente desafiador, sem atmosfera, hostil, um mundo que alcança uma temperatura de 250 graus Fahrenheit (121 Celsius) e cai para -208 F (-133 C) no equador — embora a NASA tenha registrado temperaturas de -410 F (-246 C) nas crateras lunares permanentemente sombreadas.

No entanto, a lua solitária guarda mistérios e revelações ainda não revelados. A seguir, você encontrará fatos interessantes sobre o passado, presente e futuro do satélite natural.

A distância entre a Terra e a Lua está aumentando.

Em média, a Lua, que é o nosso satélite natural, está a uma distância de aproximadamente 238.855 milhas da Terra. No entanto, ela está se afastando gradualmente.

De acordo com a NASA, a Lua está gradualmente se distanciando da Terra, aumentando sua distância em aproximadamente uma polegada a cada ano.

A energia rotacional da Terra é transferida para a lua, resultando em um afastamento gradual ao longo do tempo. Esse processo continuará por bilhões de anos. Como resultado, estima-se que em aproximadamente 5 bilhões de anos, quando o sol se expandir e morrer, a lua estará cerca de 100.000 ou mais milhas mais distante.

NASA Astronaut John W. Young leaping on the moon in 1972.
Imagem: stephmcblack/UnPlash

A lua possui movimentos sísmicos e tremores.

A lua continua a tremer e se agitar.

Neste mundo, ocorrem movimentos sísmicos, também chamados de “moonquakes”, que foram registrados pela primeira vez por sismógrafos deixados na superfície da lua pelos astronautas da missão Apollo. Os equipamentos registraram mais de 13.000 abalos, sendo que nem todos eram de pequena magnitude.

“Segundo Thomas Watters, cientista sênior do Centro de Estudos Terrestres e Planetários do Museu Nacional do Ar e Espaço Smithsonian, alguns desses terremotos podem alcançar uma intensidade considerável, aproximadamente cinco na escala Richter”, afirmou em comunicado.

Leia Mais:  Samsung Galaxy S24: Data de lançamento, preço, recursos Ultra, e mais

De acordo com cientistas planetários, acredita-se que os terremotos sejam causados pela lua encolhendo, que tem um terço da largura da Terra. A NASA explica que a lua enrugada se assemelha às rugas de uma uva quando se transforma em uma passa. No entanto, ao contrário da pele flexível de uma uva, a crosta de superfície da lua é frágil e se quebra à medida que a lua encolhe, resultando em “falhas graves” onde uma parte da crosta é empurrada para cima em relação à parte adjacente.

A fault that formed on the lunar surface as the moon slowly contracts.
Imagem: MaxWdhs/Pexels

A poeira lunar representa um risco.

Quando a NASA realizou uma viagem à Lua, a agência espacial constatou que a poeira lunar se apresentava como um desafio significativo. Ela causava obstruções em mecanismos, interferia com instrumentos, causava superaquecimento nos radiadores e até mesmo danificava os trajes espaciais, de acordo com a explicação fornecida pela NASA. Além disso, a inalação da poeira lunar poderia causar danos aos pulmões.

“A engenheira de pesquisa da NASA, Sharon Miller, afirmou que a poeira é extremamente fina, abrasiva e cortante, semelhante a pequenos fragmentos de vidro, representando uma ameaça perigosa, e não apenas um incômodo simples.”

Isso acontece porque, diferentemente da Terra, a superfície lunar não é desgastada ou corroída pela água e pelo vento, o que torna o ambiente muito hostil. À medida que a NASA se prepara para enviar astronautas de volta à Lua no programa Artemis, a agência está buscando maneiras de proteger seus rovers, trajes espaciais, sistemas de energia e outros equipamentos contra os danos causados pela poeira lunar.

Harrison “Jack” Schmitt, um geólogo e astronauta do Apollo 17, afirmou que o acúmulo de poeira será um desafio ambiental nas próximas missões, tanto dentro quanto fora dos habitats.

Objetos interessantes foram deixados na Lua pelos astronautas.

A lua é tanto um depósito de objetos deixados por exploradores humanos como um local de preservação. Por diversas razões, esses exploradores deixaram uma variedade de itens na superfície lunar. Aqui estão alguns exemplos.

Leia Mais:  Os pesquisadores descobriram um planeta com uma cauda que é 150 vezes mais extensa do que o rio Mississippi.

Existem atualmente 96 sacos contendo resíduos fecais na superfície lunar.

Reformulação: – Em 1999, a sonda Lunar Prospector da NASA transportou as cinzas do astronauta Eugene M. Shoemaker para a Lua em uma cápsula segura. Carolyn Shoemaker, esposa de Eugene Shoemaker e astrônoma, expressou sua certeza de que sempre que olharmos para a Lua, saberemos que Gene está lá.

As bolas de golfe foram levadas para a Lua pelo astrônomo Alan Shepard e ele as lançou na superfície lunar, o que não é uma história fictícia.

  • A espaçonave da NASA continua a acelerar em velocidades cada vez maiores.
  • Uma foto incrível registra a estação espacial passando pela lua com detalhes impressionantes.
  • Os telescópios mais recomendados em 2023 para a observação de estrelas, planetas e galáxias.
  • Se um asteroide ameaçador se aproximar da Terra, aqui está como você poderá identificar.
  • Por que é tão difícil pousar uma nave espacial na Lua?

Em 1971, durante uma transmissão ao vivo na TV, o Comandante David Scott da Apollo 15 realizou um experimento chamado Hammer-Feather Drop. Neste experimento, ele deixou cair uma pena e um martelo ao mesmo tempo. A NASA explicou que, devido ao vácuo em que estavam, não havia resistência do ar e a pena caiu na mesma velocidade que o martelo. Essa descoberta já tinha sido feita por Galileu centenas de anos antes, concluindo que todos os objetos soltos caem na mesma taxa, independentemente de sua massa.

Em certas regiões da Lua, as temperaturas são agradáveis.

A superfície da Lua é conhecida por sua extrema dureza, chegando a atingir temperaturas de até 260 Fahrenheit (127 °C) durante o dia e caindo para -280 F (-173 °C) durante a noite.

Entretanto, a NASA descobriu depressões na superfície lunar que possuem uma temperatura agradável de aproximadamente 17°C. O satélite lunar da agência espacial, o Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO), coletou informações ambientais sobre essas depressões, algumas das quais são antigas tubulações de lava que entraram em colapso há muito tempo quando o magma escorreu sob a superfície da Lua.

Leia Mais:  A Sony apresentou recentemente na CES 2024 o seu carro conceito Afeela, sendo controlado por um DualSense.

O cientista do projeto LRO, Noah Petro, afirmou que os poços de Lúnar são uma característica intrigante na superfície da lua. Ele também mencionou que o conhecimento sobre o ambiente térmico estável criado por esses poços ajuda a entender melhor essas características lunares distintas e abre a possibilidade de explorá-las no futuro.

The Mare Tranquillitatis pit crater.
Imagem: timmossholder/iStock

Segundo a NASA, os poços ou cavernas não apenas oferecem temperaturas agradáveis, mas também proporcionam proteção contra raios cósmicos, radiação solar e micrometeoritos.

É possível que pedaços da lua sejam encontrados na superfície terrestre.

Existem duas grandes massas de rocha dentro do núcleo da Terra, compostas por elementos distintos do restante do interior do planeta. Os especialistas acreditam que essas massas surgiram devido a uma colisão violenta, possivelmente a mesma que deu origem à Lua.

An artist
Imagem: MaxWdhs/Flickr

De acordo com os geólogos, há uma suposição de que um corpo celeste conhecido como “Theia”, que era um planeta de menor porte, colidiu com a Terra em seu estágio inicial. A Terra absorveu uma grande parte de Theia, e o restante se acumulou na formação da lua como a conhecemos atualmente.

De acordo com Ed Garnero, professor da Escola de Terra e Exploração Espacial da Universidade Estadual do Arizona, os blobs da Terra são resquícios de uma colisão planetária que formou a lua. Em outras palavras, esses grandes blobs que estão no interior da Terra são de origem extraterrestre. Portanto, a Terra não apenas possui “blobs”, mas sim blobs extraterrestres.

Esta narrativa foi atualizada com informações adicionais sobre o satélite natural da Terra, a Lua.

A Agência Espacial Nacional dos Estados Unidos