20 de June de 2024

Em 2023, astrônomos realizaram a descoberta de planetas intrigantes e inexplorados.

Os cientistas deram grandes avanços em técnicas de aprimoramento para descobrir planetas além do sistema solar da Terra, identificando centenas de novos todos os anos.

O total de planetas confirmados que orbitam estrelas diferentes do Sol aumentou para 5.539, enquanto há cerca de 10.000 candidatos que estão sendo avaliados. A maioria desses planetas está localizada na Via Láctea, embora os cientistas acreditem ter encontrado o primeiro planeta em outra galáxia há dois anos.

De acordo com as estatísticas, o aumento do conhecimento apenas arranha a superfície dos planetas que se acredita estarem no espaço. Com uma quantidade imensa de galáxias, é provável que o universo contenha trilhões de estrelas. Se a maioria dessas estrelas possuir um ou mais planetas orbitando ao seu redor, então existem um número inimaginável de mundos.

Os cientistas estão descobrindo que os planetas alienígenas são únicos, assim como flocos de neve, com características distintas. Existem planetas aquáticos, desertos, com múltiplos pôr do sol, vulcânicos e com nuvens peculiares.

Com a chegada do Telescópio Espacial James Webb, a tarefa de conhecer esses planetas se tornará consideravelmente mais simples. O principal objetivo deste observatório espacial infravermelho será estudar exoplanetas durante cerca de um quarto do seu tempo. Descobrir a composição da atmosfera de outros planetas pode fornecer aos cientistas informações valiosas sobre o potencial de abrigar vida.

Um universo além de Star Wars.

A planet orbiting two stars
Imagem: stephmcblack/PixaBay

Nos anos 70, quando Star Wars foi lançado, os pesquisadores não tinham certeza se um planeta como Tatooine, onde Luke Skywalker vivia, orbitando duas estrelas e com um pôr do sol gêmeo, realmente existia.

Esses mundos não estão apenas presentes na realidade, os astrônomos não precisam procurar em galáxias muito, muito distantes para encontrá-los.

A publicação na revista Astronomia da Natureza em junho revelou uma descoberta chamada BEBOP-1C, que significa Binários Escortados por Planetas Orbitantes. Até o momento, apenas doze sistemas estelares circumbinários que contêm planetas eram conhecidos.

Foi descoberto por acidente um planeta, que inicialmente se acreditava ser um gigante gasoso semelhante a Urano ou Saturno, localizado a uma distância de 1.300 anos-luz na constelação Pictor. De acordo com o estudo, esse planeta tem um ano com duração de 215 dias terrestres e possui uma massa 65 vezes maior que a da Terra.

BEBOP-1C, apesar de ser muito grande, ainda é apenas cerca de 20% do peso de Júpiter. De acordo com informações da NASA, suas duas estrelas giram ao redor uma da outra a cada 15 dias. Uma das estrelas é cerca de 10% mais pesada que o sol, enquanto a outra é mais fria, menos brilhante e tem apenas um terço da massa do sol.

O exoplaneta envolvido em uma polêmica.

Astronomers observing a Hycean world candidate
Imagem: Chakkree_Chantakad/KaboomPics

O telescópio Webb foi utilizado este ano por astrônomos da Universidade de Cambridge para examinar a atmosfera de um exoplaneta fascinante, onde foi descoberto um sinal químico novo e promissor, embora sutil.

A detecção foi feita de sulfeto dimetil, uma substância produzida por microalgas nas águas terrestres. Como não há outra forma conhecida de produzir essa substância em nosso planeta, alguns cientistas acreditam que ela poderia ser um indicador de vida se encontrada em outros planetas. Pesquisas futuras serão realizadas para confirmar essa descoberta preliminar.

Porém, as recentes descobertas sobre o exoplaneta K2-18b têm gerado controvérsias, com céticos questionando a validade desse sinal e outras afirmações da pesquisa, como a ideia de que o planeta é predominantemente aquático e possui uma atmosfera rica em hidrogênio. Localizado a aproximadamente 120 anos-luz da Terra, na constelação de Leo.

Leia Mais:  Na fascinante realidade marinha, a NASA monitora um componente essencial para a existência.

Os cientistas descobriram a presença de água atmosférica em K2-18b com a ajuda dos telescópios Hubble, Spitzer e Kepler em 2019. As recentes observações realizadas com o telescópio Webb revelaram também a existência de outras moléculas que são indicativas de vida, como metano e dióxido de carbono. De acordo com os autores do novo estudo, essas substâncias químicas, juntamente com a ausência de amônia, estão de acordo com as previsões para a existência de um oceano sob uma atmosfera rica em hidrogênio temperado em K2-18b.

Deseja receber mais notícias sobre ciência e tecnologia na sua caixa de entrada? Cadastre-se na newsletter Light Speed da Mashable hoje mesmo.

O planeta com nuvens reluzentes feitas de cristais de quartzo.

Webb observing world with crystal clouds
Imagem: driles/StockVault

Os pesquisadores encontraram um planeta enorme e inflado, onde as nuvens nas camadas mais altas da atmosfera contêm cristais de quartzo, uma descoberta inédita em relação à atmosfera de um exoplaneta.

Investigadores, incluindo alguns da NASA, utilizaram o telescópio Webb para examinar o planeta WASP-17b, que está aproximadamente a 1.300 anos-luz de distância. Ao utilizar o método de análise espectral de transmissão, descobriram que as nuvens do exoplaneta apresentam prismas hexagonais agudos, semelhantes aos encontrados em geodos na Terra. A principal diferença reside no fato de que cada um desses prismas tem provavelmente apenas cerca de 10 nanômetros de largura, o que equivale a aproximadamente um milhão de centímetros.

De acordo com David Grant, pesquisador da Universidade de Bristol, a presença de aerossóis na atmosfera de WASP-17 b foi confirmada por observações do telescópio espacial Hubble. No entanto, foi uma surpresa descobrir que esses aerossóis são compostos de quartzo. O estudo da equipe foi publicado em outubro na revista Astrophysical Journal Letters.

Diferente das partículas minerais encontradas nas nuvens da Terra, o quartzo presente nas nuvens de WASP-17 b não provém de uma superfície rochosa – ele vem da própria atmosfera. Isso é possível devido à alta temperatura de 2.700 graus Fahrenheit em WASP-17 b, e à pressão elevada onde esses cristais se formam no céu, que é apenas cerca de um décimo do nível experimentado na superfície terrestre. Nessas condições, é possível que cristais sólidos se formem diretamente a partir do gás, sem passar por uma fase líquida primeiro, explicou Grant.

Espelho em exoplaneta, o mais luminoso entre todos (até o momento).

An exoplanet reflecting a lot of starlight
Imagem: Peggychoucair/KaboomPics

Os cientistas descobriram um planeta com dimensões comparáveis às de Netuno, que possui uma atmosfera composta por nuvens de metais, sendo assim o maior reflexo já registrado na galáxia.

As nuvens do exoplaneta LTT9779 b, compostas principalmente de substâncias como areia, vidro e metais como titânio, possuem um alto nível de reflexão. De acordo com as recentes medições feitas pelo satélite Cheops da Agência Espacial Europeia, estima-se que esse planeta reflita aproximadamente 80% da luz proveniente de sua estrela hospedeira. Em contraste, a Terra reflete cerca de 30% da luz solar.

A maioria dos planetas apresenta um albedo baixo, o que significa que refletem pouca luz. Isso pode ser devido à presença de uma atmosfera que absorve grande parte da luz ou à superfície escura ou áspera dos planetas.

James Jenkins, astrônomo da Universidade Diego Portales e do Centro de Astrofísica e Tecnologias Afins (CATA) no Chile, descreve um cenário de um mundo quente próximo à sua estrela, onde nuvens densas de metais flutuam no céu e chovem gotas de titânio. Essas informações foram compartilhadas em um artigo publicado na revista Astronomy & Astrophysics em outubro, no qual Jenkins é coautor.

Leia Mais:  Webb faz uma descoberta sobre o sistema estelar próximo, indicando que ele passou por um evento traumático recentemente.

Além do seu brilho peculiar, há outras características incomuns acontecendo neste exoplaneta. Ele é o único de seu tamanho e massa que orbita tão próximo à sua estrela. De acordo com a ESA, um ano em LTT9779 b dura apenas 19 horas. Os cientistas o chamam de “deserto de Netuno quente”.

Este planeta TRAPPIST não teve êxito em acessá-lo ilegalmente.

Rocky exoplanet orbiting a red dwarf star
Imagem: MaxWdhs/Pexels

Quando os astrônomos conduziram uma pesquisa do TRAPPIST-1b usando o telescópio Webb, eles encontraram indícios de que seu tamanho era possivelmente o atributo mais semelhante à Terra.

De acordo com um artigo publicado na revista Nature, o planeta rochoso localizado a aproximadamente 41 anos-luz de distância não possui uma atmosfera e apresenta uma temperatura de 450 graus Fahrenheit, tornando-se um ambiente perfeito para um futuro distópico.

Os cientistas estiveram ansiosos para ter a oportunidade de pesquisar o sistema solar TRAPPIST-1, que consiste em sete planetas do tamanho da Terra que orbitam uma estrela anã vermelha. Essa estrela é pequena, mas violenta, e é comum na Via Láctea. Houve especulações de que um ou dois dos planetas TRAPPIST, descobertos há seis anos, poderiam ser habitáveis.

Apesar de não ser provável que TRAPPIST-1B possa sustentar vida, os cientistas estão apenas começando a explorar esse sistema estelar intrigante. Eles estão ansiosos para aprender sobre os outros planetas, especialmente TRAPPIST-1E, o quarto planeta da estrela. Acredita-se que esteja localizado na distância ideal para permitir a formação de água líquida em sua superfície, em forma de lagos e oceanos.

  • Lamentamos, fãs de Star Trek: Informações negativas sobre o planeta Vulcano da vida real.
  • A NASA acredita que há uma abundância de planetas no espaço que já foram identificados.
  • Como um motor de foguete nuclear da NASA poderia iniciar o funcionamento do sistema solar.
  • Os planetas aquáticos na galáxia podem ser muito mais abundantes do que se acreditava anteriormente, podendo chegar a ser 100 vezes mais comuns.
  • Pode ser possível que dois planetas possam compartilhar a mesma órbita.

Um planeta idêntico à Terra que possui uma atmosfera.

Rocky exoplanet orbiting a red dwarf star
Imagem: timmossholder/FreePik

Os cientistas estão observando um exoplaneta rochoso chamado GJ 486 B, que está localizado relativamente próximo ao nosso sistema solar, a apenas 26 anos-luz de distância na constelação de Virgem. Este planeta, descoberto há dois anos, possui um tamanho cerca de 30% maior do que a Terra e completa uma órbita ao redor de uma anã vermelha a cada 1,5 dias.

Mesmo estando em proximidade com sua estrela hospedeira e apresentando uma temperatura extremamente alta de aproximadamente 800 graus Fahrenheit, o planeta revela indícios de conter vapor de água – uma indicação de que o planeta alienígena pode possuir uma atmosfera que equilibra o próprio planeta. As atmosferas desempenham um papel fundamental na proteção de um planeta contra a radiação ultravioleta do sol, na manutenção de temperaturas habitáveis e na criação da pressão necessária para a existência de água líquida.

No entanto, é possível que seja uma ilusão óptica?

Uma explicação adicional para o vapor detectado por Webb é que a água pode estar vindo da camada exterior de uma estrela próxima, que é mais fria que o Sol, em vez de vir do próprio planeta. Serão necessárias mais observações para determinar se o exoplaneta possui realmente uma atmosfera e qual a quantidade de água presente. Sem uma atmosfera, a vida, pelo menos do tipo que pode prosperar na Terra, não seria possível.

Leia Mais:  De acordo com os cientistas, houve um diálogo entre os pesquisadores e uma baleia. Essa descoberta pode ter utilidade em possíveis interações com alienígenas.

Até agora, o vapor de água tinha sido encontrado em planetas gasosos, mas nunca em um planeta rochoso ou terrestre semelhante aos planetas do nosso sistema solar, como a Terra, Marte, Mercúrio e Vênus.

Um lugar de lava oculto na sombra profunda.

Exoplanet potentially teeming with volcanoes
Imagem: TomasHa73/DepositPhotos

Uma fascinante realidade está localizada bem próximo da chamada zona habitável, que é a região ao redor de uma estrela onde as condições não são nem muito quentes nem muito frias para a existência de água líquida na superfície dos planetas.

Essa é uma das razões pelas quais os cientistas estão interessados em LP 791-18 D, um planeta do tamanho da Terra com clima moderado, que orbita uma pequena estrela anã vermelha a 90 anos-luz de distância na constelação da cratera, localizada no sul.

No entanto, embora pareça um paraíso, é importante considerar que este exoplaneta está cheio de vulcões, onde metade do planeta está constantemente iluminada enquanto a outra metade está em total escuridão. Essas condições extremas podem se combinar para criar os elementos necessários para a formação de uma atmosfera no planeta. Muitos cientistas especializados em planetas acreditam que a atividade vulcânica é essencial para a sustentabilidade de um mundo, já que a liberação de gases durante as erupções contribui para a atmosfera e pode ajudar a manter temperaturas moderadas em um planeta.

Os cientistas astrônomos desejam obter um período de observação no telescópio Webb para realizar uma pesquisa sobre a atmosfera de um exoplaneta. A detecção de água e metano, substâncias essenciais para a vida que conhecemos, pode indicar a possibilidade de habitabilidade ou atividade biológica.

Um planeta assustador com nuvens feitas de areia.

A world potentially demonstrating unusual clouds
Imagem: xsix/ShutterStock

As nuvens em um planeta recentemente encontrado, localizado a uma distância de 40 anos-luz da Terra, se movimentam com rajadas de areia áspera e sibilante.

No planeta VHS 1256 B, existe uma tempestade de areia constante. Nas camadas de nuvens, as temperaturas chegam a um extremo de 1.500 graus Fahrenheit. E quando as nuvens se tornam muito densas, é provável que as tempestades varram o planeta com uma combinação de areia, afirmam os cientistas astrônomos.

Apesar de os dias do exoplaneta serem apenas duas horas mais curtos do que os nossos, leva 10.000 anos da Terra para completar uma órbita em torno de suas duas estrelas. Isso mesmo: BEBOP-1C (o primeiro exoplaneta mencionado nesta história) não foi o único mundo observado este ano em um sistema binário. No entanto, devido à grande distância entre o planeta e suas estrelas – cerca de quatro vezes maior do que a distância de Plutão ao sol – as fontes de luz seriam bastante fracas.

Mais um exemplo recente de como as nuvens em outros planetas podem ser completamente distintas das nuvens de vapor de água encontradas na Terra.

A Agência Espacial Norte-Americana, conhecida como NASA, é uma organização responsável pela exploração espacial e pela pesquisa científica relacionada ao espaço.