13 de June de 2024

A visão da Apple Video Pro nos lembra da série ‘Black Mirror’.

Num quarto moderno e impecável, Will, um homem com óculos de ficção científica, tem uma borboleta pousando em seu dedo. “Uau”, exclama Will à borboleta, porém, seu tom de voz sugere que está fingindo. Talvez seja a música de terror estranha que começou a tocar ou talvez seja Alessandra, a mulher no sofá ao lado, que acabou de insistir em chamar um dinossauro.

“Seria uma espécie de predador?” pergunta Will, ao presenciar a criatura colossal atravessar um portal temporal, adentrar a sala e se elevar acima dele.

Alessandra faz uma correção. Ela afirma que é um rajassauro e explica que se você se mover de um lado para o outro, o rajassauro irá te acompanhar.

A implicação errônea: Will está em uma situação complicada. Ele foi apresentado a um produto que nunca solicitou, uma demonstração que ele considerou inesperadamente animada e apenas expressou o desejo de sair, o que gerou uma sensação semelhante à série Black Mirror.

A bebida de Cupertino

Esta cena acontece quase no final de um vídeo de 10 minutos incomum. A Apple lançou recentemente o seu novo headset de realidade aumentada, chamado Vision Pro, no dia das pré-encomendas. Para aqueles que estão incertos sobre este par de óculos que custa mais de R$3.500, o vídeo de demonstração pode nos persuadir a querer sentar em nossos sofás e explorar fotos panorâmicas no ar.

Ou, talvez, para aqueles de nós que não se deixaram influenciar pelo hype de Cupertino, isso pode nos trazer uma sensação de filme distópico (com um toque de documentário cult) que revela mais sobre o estilo de vida Vision Pro do que a equipe de marketing da Apple planejava.

Leia Mais:  Como organizar seus jogos do Nintendo Switch em diferentes pastas.

A dificuldade reside em Will – ou seja, o público é solicitado a se identificar com Will, vendo o mundo através de sua perspectiva, mas não temos informações sobre sua história. Alessandra McGinnis é uma especialista em produtos da Apple, enquanto Will é alguém sem experiência anterior com o Vision Pro. Ele parece relutante em experimentá-lo e não está disposto a compartilhar sua história com McGinnis.

Conclusão: Ou Will é um ator que não é habilidoso em simular entusiasmo, ou Will é um ator excepcional, capaz de transmitir uma história de fundo por meio dessa hesitação aparente. Um espectador atento tem a sensação de que Will se envolveu nisso de forma inesperada, como alguém em um hotel procurando um café da manhã gratuito que acabou se envolvendo em uma apresentação de timeshare.

Por exemplo: Em determinado momento, McGinnis orienta Will a deitar e observar fotos no teto. Ele visualiza uma mulher em uma praia, com uma expressão um tanto séria ao olhar para a câmera. Will exclama “Nossa, impressionante”, porém não adiciona mais nada. Há algo o observando. Notamos que Will está usando uma aliança de casamento.

Seria natural para qualquer pessoa reagir de forma mais surpresa ou curiosa ao ver a mulher na foto, ou talvez até a filha dele. Poderia ser considerado que o remetente da mensagem esteja testando suas reações, talvez como um amante secreto ou até mesmo o gerente de produto, enviando um recado: Nós sabemos.

Assim que McGinnis propõe uma alternativa, Will deixa de estar furioso. Ele expressa desconfiança, afirmando que está sendo enganado. O passado está se aproximando de Will de maneira literal. Posteriormente, ele é apresentado a um ambiente tranquilo e imersivo, onde McGinnis se apresenta como um ser celestial. Ela dá instruções para que ele a observe agora.

Leia Mais:  Os pesquisadores descobriram um planeta com uma cauda que é 150 vezes mais extensa do que o rio Mississippi.

Will questiona o que está acontecendo, ao que McGinnis corrige dizendo que ele está vivenciando o que chamamos no culto da Vision Pro de uma experiência avançada.

Mais tarde, como todo líder de uma seita, McGinnis orienta: “Vamos tentar uma sessão de meditação enquanto você observa.” “Examine a si mesmo”, diz um objeto brilhante. “Expire com cuidado.” Depois de cinco minutos, Will começa a mostrar sinais de uma espécie de identificação com o agressor. “Posso fazer uma versão mais longa disso por 20 minutos?”

  • Os empregados da Apple têm a possibilidade de adquirir o Vision Pro com um preço reduzido, no entanto, é importante não ficarem excessivamente entusiasmados.
  • A Apple Vision Pro será suportada por todas as principais plataformas de streaming, com exceção da Netflix.
  • Análise e opiniões sobre a nova versão do Apple Pro: Robusto, porém incrível.

No entanto, uma parte dele está resistindo às instruções, decidido a sair da demonstração. Ele acrescenta, brincando, que não é por acaso que o personagem tem o nome de Will.

McGinnis não se incomoda com esse desafio à sua autoridade e sugere prosseguir. Ela deseja apresentar outras experiências divertidas. É nesse momento que Will se depara com o dinossauro projetado para impedi-lo de sair da linha.

A Apple pode ter tido a intenção de incorporar elementos semelhantes a Black Mirror. Talvez o vídeo, que possui uma vibe cult, tenha sido criado com o objetivo de gerar uma base de seguidores, assim como o icônico anúncio do Macintosh dirigido por Ridley Scott em 1984.

Talvez a Apple não esteja ciente de que se tornou o equivalente ao Big Brother mencionado no anúncio, impedindo que os martelos modernos de hoje esmaguem telas, mantendo-os confinados em quartos contemporâneos com óculos que ocultam os olhos reais por trás de uma falsa aparência.

Leia Mais:  O novo recurso 'Catch Up' do Slack reconhece que você está sobrecarregado e com excesso de trabalho.

Só teremos certeza sobre o próximo episódio se McGinnis conseguir encontrar sua próxima vítima.

A realidade virtual é uma tecnologia que permite aos usuários experimentarem um ambiente simulado através de dispositivos eletrônicos.