28 de February de 2024

Webb faz uma descoberta sobre o sistema estelar próximo, indicando que ele passou por um evento traumático recentemente.

No século XX, é provável que algo traumático tenha ocorrido com o sistema estelar Beta Pictoris.

Continua após a publicidade

Pode não parecer atual, mas para os astrônomos é fascinante considerar que um evento cósmico de grande magnitude ocorreu dentro de algumas gerações humanas vivas e pode ser objeto de estudo, levando em conta a idade estimada de 13,8 bilhões de anos do universo.

A estrela Beta Pictoris, que está relativamente perto da Terra a aproximadamente 63 anos-luz de distância, tem pelo menos dois planetas em órbita. Localizada na constelação sul de Pictor, pode ser vista a olho nu no céu do hemisfério sul. Uma equipe de cientistas utilizou o Telescópio Espacial James Webb, uma colaboração entre a NASA e as agências espaciais europeias e canadenses, para realizar essa descoberta. Mais uma vez, o observatório espacial infravermelho demonstrou sua capacidade em encontrar detalhes que não haviam sido detectados por outros telescópios anteriormente.

Webb anunciou a descoberta de um novo fenômeno intrigante em Beta Pictoris, semelhante a uma cauda de gato. A equipe está investigando a origem desse fenômeno.

Segundo Isabel Rebollido do Centro de Astrobiologia da Espanha, apesar de terem sido feitas observações anteriores do solo nesta faixa de comprimento de onda (luz), elas não foram sensíveis o suficiente e não possuíam a mesma qualidade de resolução espacial que temos agora com Webb. Por isso, essa característica não foi detectada anteriormente.

Rebolledo é o pesquisador principal de uma nova pesquisa sobre essas descobertas, pronta para ser divulgada na revista de astronomia.

Antes de serem observados pelo telescópio de Beta Pictoris, foi descoberto que o sistema possui dois anéis de entulho formados por colisões entre asteroides, cometas e outros objetos semelhantes a planetas. Acredita-se que os planetas se formem nesses anéis.

Leia Mais:  Aproveite um desconto de R$70 nos fones de ouvido Beats Solo3 over-ear, que têm uma duração de bateria de até 40 horas contínuas.

Usando a modelagem computacional, os pesquisadores Webb concluíram que um evento cósmico ocorrido nos últimos cem anos deve ter gerado a formação de um casulo empoeirado.

Webb studying Beta Pictoris
Imagem: GernotBra/ShutterStock

“Segundo Marshall Perrin, coautor do estudo, quando ocorre um evento como uma colisão, é gerada uma grande quantidade de poeira. Inicialmente, essa poeira segue a mesma trajetória orbital da sua fonte, mas posteriormente começa a se dispersar.”

Segundo Perrin, a luz da estrela faz com que as partículas de poeira menores e mais fofas sejam afastadas da estrela de forma mais rápida, enquanto os grãos maiores não se deslocam tanto, resultando em uma extensa trilha de poeira que se estende da parte sudoeste do disco de detritos secundários.

  • Observe a incrível trajetória de um planeta distante em um impressionante intervalo de tempo.
  • O telescópio Webb observou um número maior de galáxias em um curto período de tempo do que o olhar mais aprofundado do Hubble.
  • O telescópio Webb registra algumas das suas imagens mais grandiosas e impressionantes.
  • O telescópio Webb recentemente examinou os restos de uma estrela completamente destruída.
  • Os astrônomos não conseguiram localizar uma galáxia por completo, mas o telescópio Webb a encontrou.

Webb também apresentou variações de temperatura entre os dois discos, o que provavelmente sugere a presença de elementos distintos. Enquanto o disco secundário e a cauda de poeira são escuros na luz visível, eles brilham quando observados através do infravermelho pelo Webb.

A equipe estima que a quantidade de poeira presente na cauda é equivalente a um grande asteroide da cintura principal dispersado em uma distância de 10 bilhões de milhas, levando em conta o brilho.

Uma possível explicação para um fenômeno observado pelo telescópio ALMA em 2014 é uma recente colisão ocorrida dentro dos discos de detritos do sistema. O telescópio detectou um agrupamento de monóxido de carbono próximo à cauda do gato, o que é surpreendente, uma vez que a radiação estelar normalmente destruiria esse gás em cerca de cem anos. Portanto, a presença desse gás ainda existente pode ser considerada como evidência do mesmo evento.

Leia Mais:  Elon Musk confirma que a Tesla planeja desenvolver um novo modelo acessível até 2025.

Caso seja verdade, o sistema Beta Pictoris pode ser ainda mais desordenado do que se acreditava pelos cientistas.

Agência Espacial Norte-americana