22 de June de 2024

Precisa conferir as mais incríveis fotografias do espaço em 2023.

As espaçonaves estão orbitando ao redor do nosso sistema solar, capturando incríveis imagens de luas, planetas e galáxias antigas. No entanto, desde 2023, as transmissões de volta à Terra têm sido fragmentadas.

Neste lugar, é possível observar diversas imagens do espaço capturadas por instrumentos como o poderoso Telescópio Espacial James Webb e a nave espacial Juno da NASA, entre outros.

A impressionante imagem capturada pelo telescópio Webb revela a verdadeira curvatura do espaço-tempo.

The James Webb Space Telescope captured warped galaxies in deep space.
Imagem: timmossholder/Burst

Os cientistas direcionaram o potente telescópio espacial Webb para um grupo de galáxias situado a aproximadamente 6,3 bilhões de anos-luz de distância.

Essa coleção de galáxias, conhecida como SDSS J1226+2149, contém um número considerável de estrelas e uma massa planetária tão grande que cria um efeito de dobra espacial, semelhante a uma bola de boliche sobre um colchão. A região envolvente no cosmos distorce e amplia objetos massivos à distância.

De acordo com a Agência Espacial Europeia, a lente gravitacional é um fenômeno astronômico em que um objeto de grande massa, como um aglomerado de galáxias, causa uma curvatura no espaço-tempo que resulta na curvatura visível da luz, semelhante ao efeito de uma lente gigantesca.

Na imagem acima, na parte inferior direita, é possível observar exemplos impressionantes de luz distorcida causada pela deformação do espaço-tempo. Essas formas são representadas por linhas vermelhas alongadas. Em especial, há um arco vermelho que é descrito como “longo, brilhante e distorcido, espalhando-se próximo ao núcleo”. Segundo a agência espacial, esse objeto é conhecido como “o cavalo-marinho cósmico”. Essa ampliação poderosa permite que os cientistas investiguem essa galáxia e compreendam a formação de estrelas nesse distante domínio espacial.

A espaçonave da NASA se aproxima consideravelmente de um ambiente vulcânico e captura fotografias.

Jupiter
Imagem: GernotBra/UnPlash

A NASA está se aproximando de um planeta em sofrimento.

A sonda Juno, que está orbitando Júpiter a uma distância de centenas de milhões de milhas, está se aproximando gradualmente da Lua Joviana Io, que é o mundo mais ativo vulcanicamente em nosso sistema solar. Em outubro, Juno completou sua 55ª órbita ao redor de Júpiter, chegando a apenas cerca de 7.270 milhas (11.700 quilômetros) da superfície de Io. Isso significa que está quase cobrindo Io, estando mais de três vezes mais próximo do que alguns grandes satélites meteorológicos dos EUA.

Em breve, Juno estará mais próximo do que nunca. Até o final de dezembro, Juno estará a apenas 930 milhas, ou 1.500 quilômetros, de Io. Essa proximidade é considerável, já que o telescópio Hubble orbita a cerca de 332 milhas acima da Terra.

“Segundo Scott Bolton, o líder da missão Juno, estamos nos aproximando cada vez mais”, afirmou ele em março à Mashable.

Segundo Bolton, Ío é o objeto celeste com maior atividade vulcânica de todos os que conhecemos em nosso sistema solar. Ao estudá-lo em diferentes abordagens, podemos obter informações sobre a frequência das erupções vulcânicas, a intensidade e temperatura das mesmas, se estão agrupadas ou isoladas, e até mesmo se a forma das correntes de lava se altera ao longo do tempo.

O helicóptero da NASA registra uma vista espetacular de Marte, revelando algumas surpresas.

NASA
Imagem: driles/DepositPhotos

O helicóptero da NASA chamado Ingenuity, que não é deste planeta, realizou um voo de 40 pés acima da superfície de Marte em abril e explorou uma paisagem surpreendente em um mundo diferente.

No seu 51º voo, a máquina experimental, que possui rotores medindo quatro pés de ponta a ponta, ascendeu até o topo de uma colina localizada logo após a borda da cratera de Belva. A paisagem é impressionante. Poderíamos até afirmar que se assemelha à Terra. O deserto rochoso fica em destaque na frente. Colinas esculpidas pelo vento úmido se estendem pelo horizonte. O céu é radiante.

Há diversos indícios intrigantes de atividades humanas espalhados pela paisagem. Ao observar com atenção, é possível avistar as patas do helicóptero, a sombra que ele projeta, o rover Perseverance do tamanho de um automóvel e restos de equipamentos de exploração.

O telescópio Webb registra a imagem do nosso sistema solar, que é muito diferente do que conhecemos.

The belts around the star Fomalhaut, as imaged by the James Webb Space Telescope.
Imagem: karvanth/GettyImages

No nosso sistema solar, temos conhecimento de que o cinturão de asteroides contém diversos objetos antigos e curiosos. Recentemente, os cientistas exploraram um sistema solar diferente e descobriram duas dessas faixas no sistema interno, além de uma terceira mais afastada.

Leia Mais:  O melhor carro da CES 2024 não é o carro da Sony, mas sim o carro da Razer que possui um Xbox Series X.

Os pesquisadores utilizaram o Telescópio Espacial James Webb, o mais avançado em órbita, para descobrir novos anéis em torno da estrela Fomalhaut, que está relativamente próxima, a aproximadamente 25 anos-luz de distância. Os resultados da pesquisa foram publicados recentemente na revista científica Nature Astronomy.

No passado, telescópios como o Hubble já haviam observado o anel mais distante de Fomalhaut, que está localizado a uma distância de 14 bilhões de milhas da estrela. No entanto, o telescópio Webb, que é capaz de detectar luz infravermelha – uma forma de energia que não é visível aos nossos olhos, mas que é bastante comum e intensa – identificou a presença de dois anéis internos.

Schuyler Wolff, um astrônomo da Universidade do Arizona envolvido na pesquisa, afirmou que a maior vantagem de Webb é a capacidade de detectar o brilho térmico da poeira nas áreas internas, permitindo a visualização de cinturões internos que antes eram invisíveis.

The James Webb Space Telescope captured three rings around the star Fomalhaut.
Imagem: driles/ShutterStock

A NASA registrou uma imagem inédita de Urano.

The Webb telescope captured a view of Uranus and its rings.
Imagem: GernotBra/PixaBay

Os astrônomos usaram o telescópio Webb, que tem a capacidade de enxergar na faixa infravermelha, para obter uma imagem nítida dos anéis que cercam Urano. Esses anéis são muito tênues e distantes para serem observados com luz visível.

De acordo com Stefanie Milam, cientista planetária da NASA, o JWST é capaz de detectar os anéis de Urano, que são compostos principalmente de gelo e poeira. Essa observação é considerada rara, pois os anéis são difíceis de serem vistos.

Nesta figura, é possível observar 11 dos 13 anéis já identificados em Urano.

Deseja receber mais informações sobre ciência e tecnologia diretamente em seu e-mail? Cadastre-se na newsletter Light Speed da Mashable hoje mesmo.

O telescópio Webb registra uma imagem impressionante do universo distante.

A deep view of the cosmos. LEDA 2046648 is the large galaxy at the bottom.
Imagem:
chsyys/FreeImages

A Agência Espacial Europeia, em colaboração com a NASA e a Agência Espacial Canadense, capturou uma imagem impressionante do cosmos com o telescópio Webb. Diferente de outros telescópios, o Webb tem a capacidade de enxergar as galáxias mais antigas do universo, que estão tão distantes que sua luz é estendida em comprimentos de onda infravermelhos, que não são visíveis aos nossos olhos. A NASA destaca que essa é a especialidade do Webb.

Quando Webb observa locais tão distantes no espaço, o instrumento está visualizando eventos ocorridos há bilhões de anos. Essa imagem retrata a aparência das galáxias na época em que a luz foi emitida, há muito tempo atrás.

Observe quais outros elementos você consegue identificar na imagem a seguir.

  • No cenário principal, próximo ao fundo, podemos observar um magnífico exemplar de uma galáxia espiral conhecida como LEDA 2046648. Embora esteja a uma distância de aproximadamente 1 bilhão de anos-luz, está muito mais próxima em comparação com as galáxias distantes além dela. Vale ressaltar que a nossa própria Via Láctea também é uma galáxia em espiral.
  • Todas as outras coisas que aparecem nesta imagem são galáxias, exceto por seis pontos que são estrelas próximas. Estes pontos de luz brilhante no telescópio Webb podem causar algo chamado “picos de difração”. A Agência Espacial Europeia (ESA) explicou que esta imagem mostra um campo cheio de galáxias capturado pelo Telescópio Espacial James Webb da NASA/ESA/CSA, juntamente com estrelas brilhantes que têm os pontos de difração de seis pontos do Webb.
  • Muitas das galáxias distantes apresentam tonalidades avermelhadas ou alaranjadas. Com a expansão do universo e o afastamento desses objetos celestes, a luz emitida por eles se estende. De acordo com a ESA, a visão infravermelha precisa do telescópio Webb possibilita uma viagem no tempo, pois a luz proveniente dessas galáxias distantes é deslocada para comprimentos de onda infravermelhos.

Na imagem em destaque, próxima ao fundo, pode-se observar um belo exemplo de uma galáxia em forma de espiral, denominada LEDA 2046648. Embora esteja a cerca de 1 bilhão de anos-luz de distância, está mais próxima do que as galáxias distantes situadas além. Vale ressaltar que a Via Láctea, a qual pertencemos, também é uma galáxia espiral.

Todas as coisas presentes nesta imagem são galáxias, exceto pelos objetos de seis pontos, que são estrelas mais próximas. A presença desses pontos de difração de Webb pode causar um fenômeno chamado “difraction picos”. A Agência Espacial Europeia (ESA) explicou que esta imagem capturada pelo Telescópio Espacial James Webb da NASA/ESA/CSA mostra um campo cheio de galáxias, além de estrelas brilhantes com os pontos de difração de seis pontos.

Leia Mais:  Lista de verificação para efetuar a compra do Apple Vision Pro: tudo que você precisa saber durante o processo de finalização da compra.

Muitas das galáxias distantes apresentam uma coloração avermelhada ou alaranjada. O telescópio Webb, com sua visão infravermelha de alta qualidade, é capaz de observar a luz dessas galáxias que, devido à expansão do universo e ao afastamento desses objetos celestiais, foi estendida e deslocada para comprimentos de onda infravermelhos. Isso permite ao telescópio voltar no tempo e estudar essas galáxias distantes. A ESA destacou a importância dessa capacidade do Webb.

Naves cósmicas raramente exploram o planeta pouco visitado Mercúrio.

The BepiColombo spacecraft swooped by Mercury in June 2022.
Imagem: driles/GettyImages

O BepiColombo, um orbitador robótico, realizou uma visita incomum ao planeta Mercúrio em junho. Esta missão é uma parceria entre as agências espaciais europeias e japonesas. Sendo o planeta mais próximo do sol, Mercúrio sofre constantemente com altas temperaturas e intensa radiação solar.

As imagens mais recentes revelam um planeta cheio de crateras de impacto e fluxos de lava antigos. Nos próximos anos, a sonda finalmente entrará em órbita ao redor do planeta, possibilitando que os cientistas planetários obtenham um melhor entendimento sobre a formação e evolução deste mundo singular.

Os cientistas registraram uma foto da explosão intensa de uma estrela que explodiu.

A supernova explosion spotted in the Pinwheel galaxy.
Imagem: GernotBra/GettyImages

Explosão.

No mês de maio, os cientistas observaram uma estrela que entrou em colapso e explodiu na enorme galáxia Pinwheel, que está localizada a uma distância de aproximadamente 21 milhões de anos-luz — uma proximidade relativa no contexto do cosmos. Essa explosão, conhecida como supernova, ocorreu quando uma estrela de grande massa implodiu sobre si mesma, resultando em um ponto luminoso na galáxia que ainda pode ser visto atualmente com o auxílio de um pequeno telescópio.

Agora, os astrônomos direcionaram um telescópio de alta potência para a explosão no espaço, e é possível observar o brilhante e duradouro flash. O gigantesco telescópio Gemini do norte, com uma largura superior a oito metros (26 pés), situado no topo de Mauna Kea, no Havaí, a uma altitude de 13.824 pés, registrou esse evento de supernova.

A supernova chamada “SN 2023ixf” pode ser encontrada no canto esquerdo da imagem, em um dos braços espirais da galáxia Pinwheel, também conhecida como “Messier 101”. O Sol e a Terra também estão localizados em um braço espiral da nossa galáxia, a Via Láctea, mas nossa estrela não tem massa suficiente para explodir de forma violenta.

Imagens incríveis recentes do sol foram divulgadas.

A close-up of a sunspot.
Imagem: Chakkree_Chantakad/iStock

Em 2023, o telescópio solar Daniel K. Inouye, situado no cume do vulcão de Maui Haleakalā, registrou fotografias altamente detalhadas do Sol.

O telescópio solar é equipado com um espelho de 4 metros de largura, tornando-o o mais potente do planeta. Muitas fotografias capturadas por ele exibem manchas solares escuras, que são áreas mais frias na superfície do Sol associadas à sua atividade de ciclo solar. Frequentemente, essas manchas são maiores do que o nosso planeta.

  • As primeiras fotografias do planeta Terra estão sendo mantidas em baixas temperaturas.
  • A velocidade da nave espacial da NASA continua a aumentar progressivamente.
  • Os melhores equipamentos astronômicos para visualizar estrelas, planetas e galáxias no ano de 2023.
  • A NASA se emociona com o romance espacial? É algo complexo.
  • Se um asteroide ameaçador estiver prestes a colidir com a Terra, aqui está a forma de identificá-lo.

Segundo o Observatório Solar Nacional, à medida que o Telescópio Solar Inouye continua a investigar o Sol, aguardamos ansiosamente por novos e empolgantes resultados da comunidade científica, incluindo imagens impressionantes do astro mais poderoso em nosso sistema solar.

A imagem impressionante capturada pelo telescópio Webb da Nebulosa do Caranguejo é de tirar o fôlego.

The James Webb Space Telescope
Imagem: GernotBra/PixaBay

No ano de 1054 d.C., os cientistas observaram uma luz incomum e intensa surgir no firmamento.

Agora temos conhecimento de que ocorreu uma explosão de uma estrela, conhecida como supernova, que pôde ser observada durante o dia por aproximadamente três semanas. Atualmente, os resquícios dessa estrela em explosão são conhecidos como a “Nebulosa do Caranguejo”, e os cientistas utilizaram o Telescópio Espacial James Webb para obter uma visão nunca antes vista desse objeto icônico.

Leia Mais:  Aproveite um desconto de $70 no Xbox Series S e ganhe o seu jogo de brinde.

De acordo com a NASA, a Nebulosa do Caranguejo está localizada a uma distância de 6.500 anos-luz e é composta pelos restos de uma estrela que explodiu. Embora já tenha sido amplamente estudada, a sensibilidade e a resolução infravermelha do telescópio Webb estão fornecendo novas informações sobre a composição e as origens desta nebulosa.

Ideias para objetos: Júpiter e eventos explosivos; exposições de fotografias do espaço.

Júpiter é um poderoso coletor de detritos celestes.

Devido ao seu tamanho impressionante, Júpiter, que é um gigante gasoso com uma massa 318 vezes maior que a da Terra, tem a capacidade de atrair diversos objetos para sua órbita. Isso inclui asteroides e cometas de várias dimensões, que ocasionalmente colidem com a atmosfera do planeta. Recentemente, os astrônomos observaram a ocorrência de impactos, incluindo a explosão de um objeto com cerca de uma dúzia de metros de largura nas nuvens do gigante gasoso em agosto.

Assim, ocorreu mais uma vez. Em 15 de novembro, um astrônomo não profissional do Japão testemunhou um brilho breve em Júpiter – um indício de um impacto, visível nas imagens acima.

“Na noite passada, ocorreu outro evento de colisão em Júpiter!”, escreveu a astrônoma planetária Heidi B. Hammel em uma publicação no X, a plataforma de mídia social anteriormente conhecida como Twitter, em 16 de novembro. “O brilho intenso é causado por um objeto celeste em chamas, semelhante a uma estrela cadente, na atmosfera de Júpiter. No entanto, desta vez, o objeto era muito pequeno para deixar uma marca visível como vimos em 1994 e 2009.”

Um objeto, possivelmente um cometa ou asteroide, entrou na atmosfera de Júpiter, cheio de moléculas, o que resultou em atrito e aquecimento rápidos. Como consequência, ocorreu uma explosão.

A espaçonave da NASA atravessa a erupção solar, registrando imagens.

A NASA conseguiu proteger uma nave espacial resistente o suficiente para atravessar e sobreviver a uma explosão solar de grande magnitude.

No mês de setembro, os pesquisadores divulgaram imagens incomuns desse fenômeno solar, conhecido como ejeção de massa coronal, ou CME, que consiste na liberação de uma grande quantidade de gás extremamente quente (plasma). De acordo com Mark Miesch, cientista do Centro Nacional de Previsão do Tempo da Administração Oceânica e Atmosférica, é como se fosse retirado um pedaço do sol e lançado no espaço.

Segundo a NASA, houve um evento chamado CME em setembro de 2022, que foi uma das ejeções de massa coronal mais poderosas já registradas. Felizmente, a sonda solar da agência espacial Parker possui um escudo térmico resistente e está projetada para suportar explosões intensas de radiação como essa. A sonda está investigando de perto o comportamento do Sol.

Observe o conteúdo das imagens compartilhadas pela Johns Hopkins University Applied Physics Laboratory, uma instituição científica colaboradora da sonda solar.

  • No tiro não é possível ver o sol real, porém a posição da nossa estrela é exibida na parte esquerda da tela.
  • Em apenas 14 segundos, o CME se torna visível, movendo-se rapidamente da esquerda para a direita. Em seguida, ocorre um impacto repentino.
  • A sonda atravessa a erupção e sai no final do vídeo.

No tiro, não é possível ver o sol real, mas a posição da nossa estrela é exibida no lado esquerdo da tela.

Em apenas 14 segundos, o CME se torna perceptível, movendo-se rapidamente da esquerda para a direita. Em seguida, ocorre um impacto repentino.

Em seguida, a sonda atravessa a erupção e sai pelo final da gravação.

Rover indiano deixando rastros na superfície lunar.

India
Imagem: JonPauling/FreeImages

Está ocorrendo uma competição espacial inédita.

No dia 23 de agosto, a Índia conseguiu pousar um rover robótico na lua, sendo a primeira nação a explorar a área do polo sul lunar, onde há uma valiosa presença de gelo de água. A importante missão Chandrayaan-3 permitiu que o rover Pragyan da Índia se movimentasse pela superfície lunar, inclusive evitando uma cratera perigosa.

A Agência Espacial Americana, conhecida como NASA, é uma organização responsável pela exploração espacial e pesquisa científica.