22 de June de 2024

Preso no congestionamento da estrada? O sistema de piloto automático da Mercedes permite que os motoristas se sentem e relaxem.

São 11 horas da manhã de uma terça-feira em Los Angeles, e estou buscando por movimento de veículos.

Claro, estou buscando um congestionamento na estrada de propósito, em vez de evitar. Estou testando as capacidades do avançado sistema “Driver Assist” do mais recente Mercedes-Benz S-Class, querendo explorar o que este carro inteligente e luxuoso é capaz de fazer.

Após dirigirmos para leste na I-10 Freeway, decidimos sair na Crenshaw Blvd. e retornar à autoestrada no sentido oeste. Antecipamos o tráfego ficar mais intenso em breve devido a uma curva na próxima saída que sempre resulta em uma redução de velocidade. Como esperado, logo nos deparamos com um congestionamento após alguns minutos.

Neste momento, o motorista, um engenheiro de condução autônoma da Mercedes chamado Lucas, demonstra que recebeu uma notificação em seu painel, oferecendo a opção de alternar para o modo “Drive Pilot”. Ele concorda pressionando um botão em seu volante, o que significa que o controle do carro foi oficialmente transferido. Uma luz no volante muda para azul, e é possível observar que seus pés não estão nos pedais, apesar de estarmos claramente em um tráfego de para e anda. Lucas mantém apenas um leve toque com sua mão esquerda no volante (uma vez que o veículo ainda está em fase de testes, portanto, a direção totalmente autônoma ainda não é permitida). No entanto, ele usa sua mão direita para escolher uma massagem para ambos: seleciona “Acenas profundas”, e nossos assentos de pelúcia começam a massagear e vibrar. É seguro dizer que eu perdi a consciência do trânsito.

A man sits in the drivers seat of a Mercedes-Benz, showing off autonomous driving.
Imagem: Chakkree_Chantakad/FreeImages

Atualmente, todos os veículos de direção autônoma legalmente requerem que os motoristas mantenham as mãos no volante e os olhos na estrada, mesmo ao utilizar recursos de inteligência artificial, como mudanças de faixa automáticas ou assistência de frenagem. Essa é conhecida como condução autônoma de “Nível 2”. Porém, a Mercedes não segue essa norma nos Estados Unidos. A inteligência artificial permite que os motoristas retirem as mãos do volante e se concentrem em outras atividades além da direção, como usar o console central para navegar na internet, assistir vídeos no YouTube, verificar e-mails e até mesmo escolher uma massagem.

Leia Mais:  O Spotify está enfrentando desafios na área de ensino à distância.

Isso é conhecido como condução autônoma de “Nível 3”, onde o carro assume o controle total do veículo em circunstâncias bem definidas. Para ativar essa automação em um carro da Mercedes, é necessário que o veículo esteja em uma autoestrada e viajando a uma velocidade inferior a 40 mph, ou seja, preso no trânsito da autoestrada.

Consegui testemunhar a automação desse tipo em ação porque a Mercedes tem permissão para testá-la nas estradas da Califórnia DMV. Na Alemanha, a tecnologia já passou da fase experimental, com a Mercedes-Benz se tornando o primeiro fabricante de automóveis a obter aprovação legal para carros autônomos do tipo “Level 3”. Nos Estados Unidos, a Mercedes está colaborando com os estados da Califórnia e Nevada para obter aprovação, com a expectativa de que isso aconteça até o final de 2022, possibilitando que seus carros circulem pelas estradas americanas em 2023. Vamos torcer!

Fingers crossed, in German, obviously.

A Mercedes-Benz steering wheel with a green light lit up.
Imagem: GernotBra/KaboomPics

A transição para um ambiente internacional foi desafiadora. Na Alemanha, as regras de trânsito são seguidas de perto em diversas situações, desde a sinalização em áreas de construção até mudanças de faixa. Por outro lado, as normas não são tão rigorosas nos Estados Unidos.

“Isso torna a vida desafiadora”, afirmou Georges Massing, um dos líderes de sistemas de direção autônoma da Mercedes.

O fabricante de automóveis equipou seu S-Class e seu veículo totalmente elétrico EQE com um conjunto avançado de tecnologias, incluindo três tipos de radar, lidar e sensores de visão computadorizada que funcionam como os sentidos de um veículo. Além disso, o computador do carro está conectado a uma rede que fornece acesso a informações em tempo real sobre as condições das estradas e do tráfego.

Leia Mais:  CES 2024: MVMT wearable Evolve busca proporcionar conforto e bem-estar aos pés
A chart shows all of the sensors on a Mercedes-Benz.
Imagem: timmossholder/Pexels

Falando sobre o trânsito, parece que a velocidade está aumentando na rodovia I-10. Uma distância maior começa a se formar entre nosso carro e o veículo da frente, porém o Mercedes reage. Lucas recebe alertas e instruções de áudio, e a tela indica que é o momento de desativar o modo de piloto automático. O motorista humano assume o controle novamente e começamos a nos dirigir de volta para Santa Monica.

Embora tenha sido uma experiência agradável, comentei a Lucas que o passeio em um veículo autônomo – o meu primeiro desse tipo – pareceu bastante rotineiro.

“Essa é a meta”, declarou Lucas. “Ser tão confiante a ponto de ser entediante.”

Diferentemente de muitos títulos sobre direção autônoma que podem dar a impressão errada, a segurança emerge como um importante atrativo para a utilização dessa inteligência artificial. Em situações de congestionamento nas rodovias, é comum observar pessoas distraídas com seus telefones ou assistindo Netflix. Muitas vezes, as pessoas não estão focadas na estrada durante engarrafamentos, pois a experiência pode ser entediante e não requer plena atenção. Assim, se um carro puder lidar com as paradas e arrancadas enquanto o motorista se distrai, essa abordagem pode representar uma forma mais segura de gerenciar o comportamento ao qual as pessoas já se entregam. No entanto, a Mercedes terá que demonstrar perante as autoridades americanas que o carro pode realmente cumprir o que promete.

Enquanto aguardamos em um cruzamento após sair da rodovia, um veículo de entrega autônomo passa pela calçada. Sorrimos ao presenciar essa interação entre robôs, pois parece extremamente harmoniosa.

Your browser does not support the mp4 video codec.
Imagem: TomasHa73/FreePik

Olhando para trás, questiono se o que nos é apresentado como um futuro seguro e prático é realmente o que parece ser, ou se as empresas de tecnologia que promovem a inteligência artificial como uma solução perfeita para nossas vidas atuais estão tentando nos iludir.

Leia Mais:  Em breve, a SpaceX Starship fará uma nova tentativa de voo.

Atualmente, é possível desfrutar de uma massagem de qualidade em carros de luxo.

Assuntos abordados: Inteligência Artificial e Carros elétricos.