14 de June de 2024

A NASA planeja fazer pousos de naves espaciais a uma distância de 800 milhões de milhas.

A missão Dragonfly da NASA pode parecer algo saído de um filme de ficção científica, mas é uma realidade.

A agência espacial planeja enviar um veículo semelhante a um carro, com oito rotores giratórios, para explorar Titan, uma lua de Saturno conhecida por seu oceano coberto de metano. Titan é um lugar frio onde lagos e mares são preenchidos com metano em vez de água, e as dunas contêm compostos orgânicos que podem ser essenciais para a vida se desenvolver.

A NASA confirmou que o projeto do Dragonfly está em suas fases preliminares e, em 28 de novembro, deu aprovação para que o projeto “dual-quadcopter” avance para sua fase final de construção. Essa aeronave foi projetada especificamente para a missão de explorar extensas áreas de Titã, cobrindo centenas de quilômetros de terreno. Durante os próximos três anos, o Dragonfly realizará decolagens e pousos em diversos pontos, investigando as condições “prebióticas” que podem ter fornecido os ingredientes para a eventual formação da vida em nosso sistema solar.

Elizabeth “Zibi” Mashable, cientista planetária do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins e líder da missão, afirmou que este é o único lugar no sistema solar com essa composição química peculiar.

Na verdade, as dunas de Titã são cobertas por uma camada de gelo de água, o que permite a mistura de moléculas ricas em carbono com água. Isso nos dá uma visão do início da Terra e de como os elementos essenciais para a vida podem ter se formado em ambientes semelhantes. A presença de moléculas orgânicas em Titã aumenta ainda mais o interesse nesse mundo, levando-nos a questionar quais compostos estão presentes e quais reações podem ocorrer. O Laboratório de Física Aplicada da Universidade, um parceiro frequente da NASA em missões, levanta essas questões.

Leia Mais:  CES 2024: O touchpad peculiar deste laptop destina-se a usuários fanáticos pelo YouTube.

Apesar de ser o principal objetivo do Dragonfly encontrar essas respostas, ele também tem a capacidade de avaliar se Titã é um ambiente propício para a vida, ou seja, se poderia sustentar organismos vivos, além de buscar possíveis indícios de vida.

This image from NASA
Imagem: xsix/KaboomPics

De que forma a NASA planeja investigar o Titã.

O lançamento do Dragonfly está previsto para 2028, e está programado para aterrissar no equador de Titã, um local com grandes dunas, por volta de 2030. Essa é uma missão que busca explorar um mundo pouco conhecido, utilizando uma nave espacial capaz de percorrer cerca de seis milhas por dia, mesmo enfrentando temperaturas extremamente baixas de -290 Fahrenheit.

Turtle declarou que o ambiente é extremamente gelado, chegando a ser quase impossível de imaginar.

No entanto, a tarefa não é tão difícil quanto parece. “É uma arquitetura ousada para uma missão”, Turtle observou. “Mas a maioria das tecnologias já existe.” Por exemplo, as câmeras do Dragonfly já foram testadas em ambientes marcianos nos rovers da NASA em Marte. Além disso, o espectrômetro de raios gama e nêutrons, que irá detectar a composição da superfície de Titã, foi utilizado em missões para Marte, Mercúrio, a lua e diferentes asteroides. O Dragonfly é movido por energia nuclear, utilizando um sistema semelhante ao dos rovers de Marte, conhecido como “Gerador Termoelétrico de Radioisótopos Multi-Missão”.

Antes de ser lançado, o ofício terá sido exposto a ambientes semelhantes ao de Titan. O Laboratório de Física Aplicada criou uma “Câmara Titan”, um cubo espaçoso de 15 pés, para simular as condições extremamente frias deste distante mundo, que está a cerca de 800 milhões de milhas de distância (essa distância varia com base nas órbitas da Terra e de Saturno). Recentemente, os engenheiros testaram com sucesso a eletrônica dos rotores essenciais do Dragonfly, de acordo com Turtle.

Leia Mais:  Uber apresenta novos passeios autônomos em parceria com a empresa Aptiv Motional.

Uma vez em Titã, as lâminas giratórias rápidas do veículo Dragonfly terão facilidade em levantar cerca de 1.000 libras (450 kg) pelo ar. Isso é possível porque a atmosfera de Titã é quatro vezes mais densa do que a da Terra, o que permite que as lâminas tenham ar suficiente para gerar força ascendente. O Dragonfly pode voar a alturas superiores a 13.100 pés (4.000 metros). Segundo Turtle, pesquisador do projeto, “Em Titã, a atmosfera faz a maior parte do trabalho para nós”. Além disso, a gravidade em Titã é muito menor do que na Terra.

  • Ideias de itens: Júpiter e ocorrências explosivas, exibições de fotografias do espaço sideral.
  • Pontos no espaço da NASA: Os vulcões fictícios. Um grande mistério ainda persiste.
  • Os telescópios ideais para visualização de estrelas, planetas e galáxias em 2023.
  • A estrela mais surpreendente em nosso céu está mais próxima de entrar em erupção.
  • Se um asteroide ameaçador está prestes a atingir a Terra, estas são as indicações que você deve procurar.

Nos vastos montes de areia da lua Titã, será necessário que o Dragonfly navegue sem assistência. A fim de preparar o Dragonfly para voar de forma autônoma, os engenheiros conduziram testes com modelos do Dragonfly em ambientes desérticos, como as Dunas Imperiais na Califórnia. Essas demonstrações foram registradas e podem ser assistidas abaixo. Até o momento, os drones de teste realizaram mais de 100 voos, o que tem proporcionado valiosa experiência e dados para a futura missão extraterrestre.

A conception of Dragonfly on Titan
Imagem: Peggychoucair/KaboomPics

Deseja receber mais informações sobre ciência e tecnologia diretamente em seu e-mail? Inscreva-se hoje na newsletter Light Speed da Mashable.

Após percorrer o espaço e atravessar a atmosfera de Titã, um ofício no valor de US$ 850 milhões pousará nas dunas próximas a uma cratera de impacto. Em seguida, o rotorcraft começará a explorar o terreno de Titã, fazendo pausas para recarregar e realizar pesquisas, antes de decolar novamente em direção ao céu denso do satélite.

Leia Mais:  Como a amostra de asteroide da NASA conseguiu sobreviver mesmo diante de uma falha no paraquedas.

A Agência Espacial Americana, conhecida como NASA, é uma organização que se dedica à exploração espacial e à pesquisa científica relacionada ao universo.