25 de February de 2024

A visão da Terra e da Lua enviada pela espaçonave é surpreendentemente diferente.

A competição para chegar à lua será ainda mais acirrada em 2024, com mais países e empresas privadas buscando alcançar esse desafio impressionante.

Continua após a publicidade

Apesar de apenas metade das tentativas de aterrissagem na Lua terem sido bem-sucedidas, os entusiastas do espaço provavelmente terão muitas fotos incríveis da Terra e da Lua ao longo do caminho. A mais recente foi transmitida pelo Japão por meio de sua missão SLIM (Smart Lander por Investigar a Lua), que capturou uma imagem rara da Terra pairando sobre a Lua. Para visualizá-la, pode ser necessário ampliar a imagem. Na foto, pode-se ver o Japão iluminado ao amanhecer, circundado pela Terra.

“Quando a equipe da JAXA, a contraparte japonesa da NASA, se deparou com essa imagem pela primeira vez, eles se questionaram sobre a natureza desse ponto branco abaixo da Terra!” relatou a JAXA em X (anteriormente conhecido como Twitter) em 20 de dezembro.

No momento da captura da imagem, em setembro, a sonda encontrava-se a uma distância superior a 60.000 milhas de nosso planeta de origem.

Atualmente, SLIM está em uma posição muito mais próxima da Lua do que da Terra e estima-se que entrará em órbita lunar em menos de sete dias.

A JAXA planeja pousar na lua em 20 de janeiro, o que a coloca à frente da Astrobotic Technologies, dos EUA, que também está planejando uma aterragem lunar para trazer instrumentos da NASA e outras cargas. A missão SLIM ocorre após um desembarque lunar mal sucedido da empresa japonesa ispace em abril.

Jonathan McDowell, um astrônomo do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian, explicou que a sonda aparece mais distante da Lua nesta imagem da câmera de navegação devido à sua trajetória especial de economia de combustível.

Leia Mais:  A linha Samsung Galaxy S24 apresenta o modelo Gemini AI desenvolvido pelo Google.
JAXA launching the SLIM mission rocket
Imagem: GernotBra/KaboomPics

De acordo com o que foi dito ao Mashable, quando a sonda chega à posição no espaço onde as forças gravitacionais da Terra e do Sol se igualam, ela pode facilmente alterar sua trajetória, sem enfrentar resistências do planeta ou da estrela.

Ele afirmou que, ao usar um pequeno impulso do foguete, é possível retornar à lua em uma rota que leva mais tempo para chegar, mas permite um pouso mais fácil. A única desvantagem é que leva vários meses, em vez de alguns dias, para chegar à lua a partir da Terra.

Enquanto a espaçonave viaja tranquilamente, a lua continua a cumprir seu ciclo mensal de orbitar a Terra.

McDowell explicou que durante vários meses, a Lua realiza múltiplas órbitas ao redor da Terra. Portanto, ao longo desse período, a posição da Lua em relação ao SLIM pode variar, estando às vezes no mesmo lado da Terra e outras vezes no lado oposto.

  • A NASA retomou suas atividades relacionadas à Lua. Aqui está o que isso representa.
  • No momento, duas nações estão competindo para alcançar a Lua e realizar um pouso no polo sul lunar.
  • A sonda lunar indiana faz história ao se tornar a primeira a chegar ao desejado polo sul da lua.
  • Antes do acidente, o audacioso veículo lunar privado esgotou todo o seu combustível.
  • A NASA selecionou os astronautas que irão para a Lua. Aqui está o que eles irão fazer.

A SLIM, uma missão lançada do Centro Espacial Tanegashima, no Japão, em 7 de setembro, tem como objetivo tocar próximo à cratera Shioli, no lado próximo da Lua, com uma precisão de menos de 100 metros. Essa precisão é inédita para aterragens na Lua, que normalmente são feitas em alvos quadrados. A missão busca demonstrar uma “aterrissagem do ponto de vista”.

Leia Mais:  O preço do Bitcoin sobe para níveis altos, mas depois sofre uma queda devido à intervenção da SEC. Uma conta do Twitter chamada X está disseminando informações falsas.

Em agosto, a Índia se tornou o quarto país a aterrissar na lua, juntando-se a um grupo seleto de nações espaciais – a antiga União Soviética, Estados Unidos e China – que conseguiram esse feito. Essa conquista ocorreu apenas alguns dias após a sonda robótica Luna-25, da agência espacial russa Roscosmos, ter sido perdida enquanto orbitava a lua, aparentemente por causa de uma manobra de voo mal sucedida. Ambas as missões estavam buscando posicionar suas naves espaciais tripuladas perto da região do polo sul.

Passaram-se aproximadamente seis décadas desde as primeiras aterrissagens na lua, porém, o pouso ainda é uma tarefa difícil. A camada atmosférica da lua é extremamente tênue, o que resulta em uma falta de resistência para retardar a velocidade de uma espaçonave durante a aproximação ao solo. Além disso, não existem sistemas de GPS na lua para auxiliar na orientação até o local de pouso.

Diversos países e empresas privadas têm mostrado interesse na exploração do polo sul da lua devido à presença de gelo, acredita-se que esteja enterrado em crateras permanentemente sombreadas. Esse recurso natural é altamente valorizado, pois pode fornecer água potável, oxigênio e combustível para foguetes em futuras missões, abrindo caminho para uma nova era na exploração espacial.