20 de April de 2024

Cercado por tubarões: TikTok encara críticas do Senado enquanto investidores observam atentamente.

A situação atual do gigante das redes sociais é delicada devido à incerteza em torno do futuro do TikTok e à intervenção do governo federal, que está levando até mesmo um investidor bilionário do programa Shark Tank a considerar uma oferta de compra. Enquanto isso, os legisladores dos EUA suspeitam que os usuários do aplicativo possam estar em perigo.

Em 22 de março, os senadores Richard Blumenthal, do partido democrata, e Marsha Blackburn, do partido republicano, solicitaram formalmente ao Escritório do Diretor de Inteligência Nacional a desclassificação de informações relacionadas à ameaça da plataforma à segurança nacional, com o intuito de tornar as preocupações públicas conhecidas.

Os senadores expressaram profunda preocupação com as informações e preocupações levantadas pela comunidade de inteligência em briefings confidenciais ao Congresso. Eles alertaram que a TikTok, sob controle do governo chinês, representa uma ameaça ativa para as instituições democráticas e a segurança nacional dos Estados Unidos. Pediram que informações sobre a TikTok e a ByteDance sejam desclassificadas para educar o público sobre a importância de agir rapidamente diante das questões de segurança nacional envolvidas.

Na semana passada, vários líderes governamentais e membros da comunidade de inteligência mencionaram informações potencialmente incriminatórias compartilhadas com eles durante discussões sobre a propriedade da TikTok e a possibilidade de ameaça aos usuários americanos. Apesar das declarações enfáticas, não houve divulgação de informações específicas, e outros membros do Senado e da Câmara esclareceram que acreditam que os alertas de segurança que receberam se aplicam a diversos aplicativos. Exemplos incluem permissões de aplicativos como rastreamento de teclas e acesso ao microfone — Senadores como Blackburn e Blumenthal sugerem possíveis atividades de “espionagem” mais amplas.

O Senado está debatendo intensamente a Lei de Proteção dos Americanos do Foreign Advisory Controlled Applications Act, que tem como objetivo limitar a distribuição nos EUA de aplicativos estrangeiros que possam representar riscos de segurança cibernética. Líderes da TikTok e defensores das liberdades civis criticaram o projeto de lei, aprovado pela Câmara em 13 de março, argumentando que viola a liberdade de expressão e de comércio.

Leia Mais:  O rolo sem fim finalmente chega ao Google Search na versão para computador.

Se ele receber mais um voto favorável, a legislação exigiria que o TikTok se separe de sua empresa controladora, a ByteDance, em favor da propriedade por uma entidade que não seja de origem estrangeira (ou seja, não chinesa).

Em resposta à opinião predominante e à confusão generalizada sobre as possíveis consequências da legislação proposta, o CEO da TikTok, Shou Zi Chew, usou o aplicativo para esclarecer sua posição. Ele afirmou que se a legislação for aprovada, resultará na proibição do TikTok nos Estados Unidos, um objetivo admitido até mesmo pelos apoiadores da medida. A declaração oficial da plataforma destacou a palavra “ban” e salientou que o projeto de lei foi mantido em segredo por ser, essencialmente, uma proibição. O CEO espera que o Senado analise os fatos, ouça seus eleitores e leve em consideração o impacto sobre a economia, as 7 milhões de pequenas empresas e os 170 milhões de americanos que utilizam o serviço da TikTok.

A decisão da TikTok de recrutar seus usuários como defensores e desafiar a legislação em tribunais não afastou possíveis investidores, e não há consenso geral de que a ByteDance optará por não vender o TikTok, mas sim buscar oportunidades no mercado dos EUA.

  • Entretanto, uma outra legislação sugere a proibição do TikTok. Será possível?
  • Emily Ratajkowski acredita que o governo está receoso em relação à abordagem progressiva da política do TikTok. Você concorda com essa opinião?
  • O CEO da TikTok, Shou Zi Chew, reage à proposta de proibição dos Estados Unidos e menciona a possibilidade de recorrer à justiça.
  • Quais nações baniram o TikTok?
  • Seu projeto final do ano será ainda mais tranquilo: Universal Music Group está retirando mais músicas do TikTok.

O famoso empresário canadense Kevin O’Leary, conhecido por seu papel no programa de negócios Shark Tank, declarou recentemente sua intenção de adquirir a plataforma. Ele está organizando uma oferta inicial entre US $ 20 bilhões e US $ 30 bilhões, uma redução de 90% em relação à avaliação de US $ 20 bilhões do ano passado. Em uma entrevista ao programa “Street Signs Ásia da CNBC”, O’Leary mencionou que não espera que a ByteDance inclua seus algoritmos de usuário ou dados na venda. Em vez disso, planeja “recriá-los” com código e aprovação governamental dos EUA.

Leia Mais:  O TikTok estaria trabalhando em um novo concorrente para o Instagram.

O “tubarão” afirmou que já teve um encontro com o polêmico presidente em exercício, Donald Trump, para discutir uma possível aquisição e está se esforçando para estabelecer uma comunicação com o presidente Joe Biden em breve.

“O desafio mais difícil que já enfrentei nas redes sociais é desenvolver um algoritmo completamente novo”, afirmou O’Leary. “Trata-se de um empreendimento fascinante que me agrada.”

Assuntos: TikTok e Política