12 de April de 2024

Se você visualizou determinados vídeos no YouTube, os pesquisadores solicitaram suas informações do Google.

Se você já se questionou se suas pesquisas anteriores ou atividades de visualização podem resultar em você sendo incluído em alguma lista, é válido se preocupar com essa possibilidade.

De acordo com documentos judiciais examinados pela Forbes, o Google foi instruído a fornecer informações como nomes, endereços, números de telefone e atividades dos usuários de contas do YouTube, juntamente com os endereços IP de quem assistiu a determinados vídeos, como parte de uma ampla investigação criminal conduzida por autoridades federais.

A polícia disfarçada enviou vídeos para um suspeito de lavagem de criptomoeda com o nome de usuário “elonmuskwhm”. Durante as conversas com o comerciante de bitcoin, os investigadores compartilharam links de tutoriais públicos do YouTube sobre mapeamento com drones e software de realidade aumentada, conforme relatado pela Forbes. Mais de 30.000 visualizações foram registradas nos vídeos, indicando que foram assistidos por muitos usuários não envolvidos no caso.

A empresa responsável pelo YouTube, o Google, recebeu uma ordem dos investigadores federais para fornecer de forma discreta todas as informações dos espectadores do período de 1 a 8 de janeiro de 2023, porém não foi possível confirmar se o Google havia cumprido essa ordem.

Os especialistas em privacidade expressam preocupação com a recuperação de dados obrigatória, argumentando que as autoridades federais justificaram legalmente sua solicitação, alegando que os dados são relevantes para investigações criminais em andamento. Exemplos de outras forças policiais que utilizaram justificativas semelhantes foram citados. Em um caso em New Hampshire, a polícia solicitou informações de audiência em selos de tempo específicos de transmissões ao vivo no YouTube durante a investigação de ameaças de bombas.

“O representante do Google, Matt Bryant, da Forbes, explicou que a empresa possui um processo rigoroso para proteger a privacidade e os direitos constitucionais dos usuários, ao mesmo tempo que colabora com a aplicação da lei. Cada solicitação é analisada cuidadosamente para garantir sua validade legal, e o Google costuma contestar demandas amplas ou que não estão de acordo com a legislação, inclusive se opondo a algumas solicitações por completo.”

Leia Mais:  O Polar Pace Pro, um dos melhores smartwatches para corredores, está com um desconto de 24% na Amazon.

Os especialistas em privacidade expressam preocupação em relação ao precedente estabelecido pela ordem judicial, levantando questões sobre as garantias das primeiras e quartas emendas. De acordo com o diretor executivo do Projeto de Vigilância de Tecnologia Oversight, Albert Fox-Cahn, esta decisão é o desfecho de uma tendência preocupante em que as agências governamentais estão cada vez mais utilizando mandados de busca de forma extensiva no ambiente digital, o que é considerado inconstitucional, alarmante e uma ocorrência cotidiana.

  • O YouTube passou a exigir a inclusão de etiquetas em certos vídeos criados por inteligência artificial, mas não em todos.
  • A Apple e o Google estão em comunicação sobre a possibilidade de Gemini ser disponibilizado para o iPhone.
  • Google irá passar a proibir de forma definitiva anunciantes que façam falsas recomendações.
  • Como visualizar todos os aplicativos desconhecidos que têm permissão para acessar suas informações no Facebook.
  • Descubra o processo para fazer o download de suas informações pessoais da Apple.

Os advogados há anos têm solicitado ao Google maior transparência em relação às suas políticas de compartilhamento de dados, devido às preocupações geradas pelas constantes detenções de manifestantes e pela criminalização generalizada do aborto.

Em dezembro, o Google modificou suas regras de privacidade, possibilitando que os usuários armazenem seus dados de localização diretamente em seus dispositivos, ao invés da nuvem, e reduziram o tempo de retenção dessas informações. As novas políticas também impactaram indiretamente a extensão do tempo em que dados de localização do Google são utilizados por autoridades para investigações criminais.

No ano passado, o Google enfrentou processos judiciais relacionados a essas questões, incluindo dois casos na mais alta instância judicial do estado sobre a legalidade dos mandados de busca de palavras-chave, que obrigam os sites a fornecer informações de pesquisa na internet de um usuário.

Leia Mais:  Este veículo aéreo apresentado na CES é algo que vale a pena conferir.

Plataforma de vídeos YouTube