29 de May de 2024

Pesquisa revela um aumento nas contas que propagam discursos de ódio contra judeus e muçulmanos na plataforma X de Elon Musk.

De acordo com um novo relatório, tem havido um aumento de discurso de ódio antijudaico e anti-muçulmano na plataforma X/Twitter de Elon Musk, em meio ao aumento da guerra em Gaza.

De acordo com um estudo divulgado na quinta-feira pelo Centro de Combate ao Discurso de Ódio Digital (CCDH), foi observado um significativo crescimento no número de seguidores dessas contas após o ataque realizado pelo Hamas a Israel em 7 de outubro, seguido pela guerra em Gaza.

O CCDH, uma organização sem fins lucrativos que busca diminuir a disseminação de discurso de ódio e informações falsas na internet, analisou 10 casos destacados de discurso de ódio que propagam retórica antissemita e antimuçulmana, além de teorias da conspiração. Desde o dia 7 de outubro, as contas em questão conquistaram coletivamente 4 milhões de novos seguidores; esse aumento é quatro vezes maior do que nos quatro meses anteriores.

Essas contas são de propriedade dos seguintes usuários: Dr. Anastasia Maria Loupis, Jackson Hinkle, Radio Genoa, Ryan Dawson, Censored Men, Jake! Escudos, Dr. Eli David, Keith Woods, Way of the World e Sam Parker.

Entre os perfis analisados está o de Hinkle, um influenciador conservador americano e comentarista político que supostamente expressou apoio à causa palestina em relação a X, porém frequentemente dissemina teorias de conspiração anti-semitas e desinformação sobre o conflito em Gaza. Segundo o CCDH, Hinkle ganhou 2,036,957 seguidores desde 7 de outubro, o que representa um aumento de 8,3 vezes em comparação com o crescimento de seguidores nos quatro meses anteriores. O relatório também destaca que ele recebeu pagamentos por meio de X, provavelmente por compartilhamento de receita de anúncios e assinaturas.

As nove contas adicionais analisadas são ou já foram associadas ao X Premium, a versão paga da plataforma que oferece aos usuários uma classificação privilegiada no algoritmo. A pesquisa também revelou que o X exibiu anúncios de grandes empresas ao lado das publicações dessas contas, veiculando anúncios para marcas proeminentes como Oreo, NBA, Starlink de Musk e para si próprio, ao lado de “posts felizes”.

Reposts críticos de conteúdo odioso podem contribuir para sua propagação. Ao analisar 2 postagens de ódio com grande alcance, observamos que criticá-las em determinado contexto resultou em um aumento de 28% e 16% em sua disseminação. Dado que os algoritmos favorecem conteúdo controverso, é importante ponderar antes de interagir com postagens odiosas.

Leia Mais:  Uma galáxia completa foi perdida pelos astrônomos, mas o telescópio Webb conseguiu encontrá-la.

“Se você usa X, é muito provável que tenha se deparado com Jackson Hinkle ou outras contas desagradáveis em sua timeline recentemente, mesmo que não as siga ou concorde com suas visões negativas sobre judeus e muçulmanos”, afirmou Imran Ahmed, fundador e CEO da CCDH, em um comunicado.

Não é por acaso, mas sim o desfecho de estratégias intencionais implementadas por Elon Musk.

  • A empresa de Elon Musk, X, já reverteu sua recente política anti-discurso de ódio.
  • Elon Musk e X não vencem processo judicial movido por organização sem fins lucrativos contra discurso de ódio.
  • A União Europeia irá investigar o O X de Elon Musk por supostamente violar a legislação sobre desinformação.
  • Israel estaria alegadamente empregando tecnologia de reconhecimento facial e Google Photos para realizar monitoramento em larga escala na região de Gaza.
  • A Human Rights Watch descobriu que a censura do Meta ao conteúdo sobre a Palestina é amplamente praticada e integrada ao sistema.

O estudo descreve a mudança na paisagem de X desde que Musk adquiriu a plataforma em 2022. Houve um aumento significativo no discurso de ódio direcionado a grupos marginalizados, que raramente era removido. Em novembro de 2023, o CCDH identificou um aumento de postagens antissemitas e islamofóbicas em X, com pouca ação tomada em resposta a esses relatos, conforme relatado por Matt Binder do Mashable.

Os pesquisadores do CCDH identificaram 200 publicações com conteúdo intolerante em relação a muçulmanos ou judeus. Esses posts incluíam imagens discriminatórias, negação do Holocausto, elogios ao nazismo e desumanização dos palestinos. O CCDH denunciou essas publicações para a empresa X e deu um prazo de uma semana para uma resposta. A empresa removeu somente quatro posts, deixando 196 publicações, equivalente a 98%, ainda na plataforma.

Leia Mais:  Walmart se une ao boicote de anúncios do Twitter - a situação está complicada.

O CCDH indicou em seu relatório que indivíduos conhecidos como “atores de ódio” conseguem tirar vantagem de certas condições em X, como a moderação limitada de conteúdo e a possibilidade de pagar por uma conta Premium para aumentar sua visibilidade. A suposta defesa de Musk da “liberdade de expressão” resultou em críticas à plataforma, que permitiu a volta de contas de nacionalistas extremistas, supremacistas brancos e indivíduos anteriormente banidos do Twitter por compartilharem imagens de exploração infantil; o CEO foi criticado ironicamente por aqueles que o questionaram e suas políticas.

“Ahmed enfatizou a importância de ampliar o entendimento sobre a parceria rentável entre X e os ‘influenciadores’ que propagam discurso de ódio. Ele ressaltou a necessidade de líderes tomarem medidas para garantir maior transparência e responsabilidade por parte das plataformas, de modo a responsabilizá-las por prejudicar os direitos civis e a segurança de diversas comunidades minoritárias, incluindo judeus e muçulmanos.”

Assuntos em destaque incluem a plataforma social Twitter e o empresário Elon Musk.