13 de June de 2024

A primeira sonda espacial chega à órbita lunar e traz de volta imagens.

Após mais de três meses de trajeto pelo espaço, a sonda lunar japonesa finalmente alcançou a Lua no dia de Natal.

A JAXA, a agência espacial japonesa, alcançou um marco significativo em sua missão lunar ao inserir com sucesso uma órbita oval em torno dos polos norte e sul da Lua. Nos próximos meses, a órbita se tornará mais circular antes de tentar aterrissar.

Se a nave espacial terá sucesso nesse aspecto é incerto: Cerca de metade de todas as tentativas de aterragem lunar falharam, e apenas uma em cada três missões que tentaram pousar na lua em 2023 conseguiu fazê-lo sem acidentes. Em agosto, a Índia se tornou o quarto país a pousar na lua, se juntando à antiga União Soviética, Estados Unidos e China como as únicas nações espaciais que alcançaram esse feito. As tentativas da Rússia e de uma empresa de startups japonesa, ambas com naves robóticas, não obtiveram sucesso.

Chegar à Lua, a uma distância de aproximadamente 400 km da Terra, é apenas metade do desafio. No entanto, a missão SLIM, abreviação de Smart Lander para Investigar a Lua, tem sido bem-sucedida até agora ao capturar imagens de close-up da Lua. À medida que a sonda se aproximava da superfície, a uma distância de cerca de 370 milhas, sua câmera de navegação capturou imagens revelando uma superfície lunar cheia de crateras.

Os céticos da missão Apollo nos mostraram que até mesmo imagens não são sempre o suficiente para convencer as pessoas que tendem a acreditar em teorias da conspiração. Portanto, a JAXA compilou algumas das imagens da lua em um vídeo semelhante a um livro de flip (mostrado acima neste post X) – mais provas do acontecimento histórico.

Leia Mais:  Eleve sua experiência de trabalho remoto para um patamar superior com descontos de até 23%.

De acordo com uma tradução do Google, a agência espacial japonesa em X, que anteriormente era conhecida como Twitter, afirmou que é possível observar que SLIM está se deslocando acima da superfície lunar.

O lançamento da missão SLIM ocorreu no Centro Espacial Tanegashima, no Japão, no dia 7 de setembro, e está previsto que chegue próximo à cratera Shioli, no lado próximo da Lua, em 20 de janeiro. O objetivo da missão é demonstrar uma aterragem com uma precisão de menos de 100 metros, o que é um nível de precisão sem precedentes para aterragens na Lua. Normalmente, os alvos de aterragem têm formatos quadrados.

the surface of the moon
Imagem: GernotBra/iStock

Caso o Japão seja bem-sucedido, será o quinto país a enviar uma nave espacial para a lua.

Isso vai colocar a Astrobotic Technologies, uma empresa dos EUA, algumas semanas à frente de seu esforço de aterrissagem lunar. A Astrobotic está tentando trazer cinco instrumentos da NASA e outras cargas para a superfície da lua. Em abril, a empresa japonesa privada ispace também tentou aterrissar na lua, mas ficou sem combustível na descida e acabou caindo.

  • A sonda lunar indiana faz história ao se tornar a primeira a atingir o desejado polo sul da lua.
  • A NASA retomou suas atividades relacionadas à Lua. Aqui está o que isso implica.
  • A nave espacial retorna com uma visão fora do comum da Terra e da Lua.
  • A NASA selecionou os astronautas que irão para a Lua. Aqui está o que eles irão fazer.
  • Antes de ocorrer o acidente, a sonda lunar privada ficou sem combustível.

Já se passaram cerca de 60 anos desde as primeiras viagens à lua, porém, a aterrissagem ainda é um obstáculo. A camada externa da lua, conhecida como exosfera, possui uma atmosfera muito fina e os gases são pouco retidos devido à gravidade lunar, o que faz com que não haja praticamente nenhuma resistência para desacelerar uma espaçonave ao se aproximar do solo. Além disso, não existem sistemas de GPS na lua para auxiliar na orientação da nave até o ponto de pouso.

Leia Mais:  Mensagens indesejadas estão sobrecarregando os telefones sem fio da Verizon. Saiba como lidar com essa situação.
JAXA
Imagem: xsix/StockVault

Durante muitos anos, não havia interesse em retornar à superfície da Lua, porém nos últimos anos isso mudou com a campanha Artemis da NASA, que tem incentivado essa ideia. Diversos países e empresas privadas estão agora direcionando seus esforços para o polo sul lunar, onde se acredita haver gelo nas crateras permanentemente sombreadas. Esse recurso natural é muito desejado, pois poderia fornecer água potável, oxigênio e combustível para futuras missões espaciais.

Isso implica que no futuro a lua poderia deixar de ser apenas um local celestial e se tornar uma parada para viagens a Marte – ou talvez até mesmo para outros planetas.

Inovações são mudanças revolucionárias que trazem novidades e melhorias em diversos aspectos.