14 de June de 2024

Os pesquisadores revelaram apenas a imensa quantidade de dióxido de carbono emitida em 2023.

De acordo com um novo relatório climático, as emissões globais de carbono estão previstas para aumentar em 2023 e serão consideravelmente maiores do que quando os países assinaram o histórico Acordo de Paris.

Anualmente, os pesquisadores do Centro Internacional de Pesquisas Climáticas e Ambientais (CICERO) em Oslo, Noruega, realizam um cálculo preciso das emissões de dióxido de carbono dos países, que são liberadas na atmosfera da Terra através do calor, no Relatório Global de Orçamento de Carbono. A taxa de crescimento prevista para este ano, de 1,1 por cento, é maior do que a média de crescimento de 0,5 por cento ao ano nos últimos 10 anos. Além disso, as emissões de carbono são seis por cento maiores do que quando o Acordo de Paris foi negociado em 2015, o que torna ainda mais desafiador alcançar os ambiciosos objetivos de temperatura estabelecidos no pacto.

De acordo com especialistas, as emissões de dióxido de carbono provenientes de fontes de energia não renováveis atingiram uma marca histórica em 2023.

“Segundo o diretor do CICERO, Kristin Halvorsen, é cada vez mais urgente tomar medidas diante do crescimento constante das emissões globais, se desejamos alcançar o objetivo do Acordo de Paris de limitar o aquecimento global a menos de dois graus. Esta afirmação foi feita em uma declaração oficial.”

Em 2023, aproximadamente 37,5 gigatoneladas, o equivalente a 37,5 bilhões de toneladas, de dióxido de carbono foram liberados na atmosfera terrestre.

Contudo, os pesquisadores ressaltam que não estamos condenados. Ainda possuímos a habilidade de diminuir as emissões e prevenir os efeitos mais severos de um planeta em aquecimento.

Estimated carbon emissions, in gigatons, emitted in 2023. It
Imagem: Chakkree_Chantakad/Flickr

Apesar da diminuição das emissões de carbono em 3% nos Estados Unidos em 2023, houve um aumento em outros países, como a Índia, onde as emissões aumentaram em 8,2%, e a China, onde houve um aumento de 4% (apesar das emissões da China já serem significativamente maiores que as da Índia desde os anos 2000 e continuarem a ser). Além disso, tanto a China quanto a Índia registraram um recorde de emissões de carbono provenientes do uso do carvão.

Leia Mais:  De que forma Oppenheimer conseguiu desenvolver uma bomba atômica antes dos nazistas?

Espera-se um crescimento de cerca de 1,5% nas emissões de CO2 provenientes do uso de petróleo, principalmente devido às emissões de aviação e transporte terrestre na China, embora essas emissões ainda estejam abaixo dos níveis pré-pandemia. Em relação às emissões de gás natural, espera-se um pequeno aumento de aproximadamente 0,5%, mas também é possível que fiquem estáveis ou até mesmo diminuam. O aumento do uso de gás natural na China é contrabalanceado pela diminuição na União Europeia devido à invasão russa da Ucrânia e subsequente guerra.

Apesar de ter havido um aumento considerável no uso de energias renováveis, inclusive na China, não houve uma redução proporcional nas emissões de carbono.

De acordo com Jan Ivar Korsbakken, pesquisador sênior da CICERO, o crescimento das energias eólica e solar na China tem sido fundamental para evitar um aumento ainda maior nas emissões de gases de efeito estufa. No entanto, devido à alta demanda de eletricidade e à baixa produção de energia hidrelétrica causada pela seca, a geração de energia a partir do carvão também teve um aumento significativo.

Em uma declaração, Glen Peters, um pesquisador sênior da CICERO, expressou preocupação com o aumento contínuo das emissões de CO2 devido à falta de controle sobre o crescimento dos combustíveis fósseis, apesar do notável crescimento da energia limpa.

  • Então, qual é a razão para o aquecimento da Terra?
  • Estão sendo capturadas as primeiras fotografias do planeta Terra.
  • É absurdo. Aqui estão as informações sobre o fenômeno do aquecimento global.
  • Este cientista continua lucrando com aqueles que apostam na negação da mudança climática.
  • Por que o sol não é responsável pela alteração climática atual?
Leia Mais:  Apple e Amazon estão transformando a forma como consumimos transmissões de eventos esportivos em tempo real.
The globe
Imagem: wal_172619/Pexels
Atmospheric carbon dioxide levels have skyrocketed over the past century.
Imagem:
chsyys/StockVault

O aumento representa o décimo segundo ano consecutivo em que a quantidade média de dióxido de carbono na atmosfera da Terra aumentou em mais de duas partes por milhão (ppm). Os níveis de CO2 na atmosfera estão agora no patamar mais elevado em milhões de anos.

Com o aumento das emissões, o mundo está se afastando dos objetivos climáticos estabelecidos no Acordo de Paris, que visam manter o aquecimento global abaixo de 1,5 a 2 graus Celsius (2,7 a 3,6 graus Fahrenheit) acima dos níveis pré-industriais. Para evitar os impactos mais devastadores da mudança climática, como chuvas extremas, secas e derretimento de geleiras, é necessário reduzir as emissões a zero e impedir o aumento da temperatura global.

Deseja receber mais informações sobre ciência e tecnologia em seu e-mail? Cadastre-se na newsletter Light Speed da Mashable hoje mesmo.

De acordo com a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica, a temperatura da Terra já aumentou cerca de 1°C ou 2°F desde os anos 1800. Quanto mais carbono for liberado na atmosfera, maior será o aumento da temperatura média do planeta. A NASA relata que os últimos nove anos foram os mais quentes registrados desde 1880, quando a manutenção de registros moderna começou.

De acordo com Peters, a expressão “meta zero” é frequentemente utilizada para descrever a ação de tomar medidas em relação ao clima, mas o seu objetivo principal é a redução significativa das emissões de CO2, chegando próximo a zero. Peters ressalta que países e empresas que não estão diminuindo drasticamente as emissões de CO2 não estão alinhados com o conceito científico de emissões líquidas zero.