20 de June de 2024

Qual seria a aparência de Marte vista de uma estação espacial em órbita?

Pense em estar a bordo da Estação Espacial Internacional e observar o planeta abaixo – porém, em vez de observar a Terra, você está contemplando Marte.

A NASA recentemente utilizou sua sonda marciana mais antiga para capturar amplas imagens panorâmicas de Marte, a aproximadamente 250 milhas acima da superfície. Essa altitude é a mesma do laboratório espacial que está em órbita contínua ao redor da Terra.

Os astronautas mencionaram bastante como essa visão única de nosso planeta os impactou, sendo chamada de “efeito geral”. Pode-se presumir que a visão geral de Marte seria igualmente emocionante e transcendental, acrescentando uma nova dimensão ao conceito de ser um cidadão do universo.

Laura Kerber, cientista do projeto adjunto para o orbitador Mars Odyssey, afirmou em um vídeo da NASA que, se você fosse um astronauta, as belas crateras em Marte seriam a primeira coisa que chamaria sua atenção, pois elas parecem muito diferentes das crateras terrestres.

A nova visão do horizonte de Marte, registrada pela sonda Odyssey, não tinha apenas o objetivo de criar imagens esteticamente agradáveis, mas sim de fornecer aos cientistas uma visão completa da atmosfera marciana. A sonda capturou imagens de nuvens, poeira e também uma das duas pequenas luas do planeta, Fobos.

Os astronautas em uma estação espacial imaginária ao redor de Marte podem observar diferentes tipos de nuvens em comparação com as nuvens de vapor de água que estamos familiarizados na Terra. Essas nuvens em Marte incluem nuvens de gelo de dióxido de carbono, nuvens de água e nuvens de poeira, sendo possível distinguir cada uma delas por meio da câmera infravermelha de Odyssey, THEMIS.

Leia Mais:  A NASA finalmente pode ter acesso às rochas terrestres mais recentes.

Engenheiros do Laboratório de Propulsão de Jato da NASA e da Lockheed Martin trabalharam juntos durante três meses para realizar esse projeto. O objetivo era criar 10 imagens conectadas para fornecer aos cientistas novas informações sobre o planeta, que está a mais de 230 milhões de milhas de distância. É importante ressaltar que a distância entre a Terra e Marte está sempre mudando, já que ambos os planetas estão em constante movimento. No momento atual, eles estão próximos de sua distância máxima.

A visão panorâmica atual é tão abrangente que a imagem completa precisou ser recortada no início desta narrativa. Para apreciar o efeito completo, confira abaixo:

Odyssey orbiter capturing Mars
Imagem: MaxWdhs/FreePik

Deseja receber mais informações sobre ciência e tecnologia diretamente em seu e-mail? Cadastre-se na newsletter Light Speed da Mashable hoje mesmo.

Capturar uma imagem panorâmica se torna desafiador devido à necessidade de alterar o ângulo do orbitador. Geralmente, a câmera do Odyssey está posicionada para mapear elementos como gelo, rochas, areia e poeira na superfície do planeta. No entanto, em experiências anteriores, a equipe da missão tentou girar o Odyssey para fotografar a lua em forma de batata, Phobos.

Kerber comentou que desta vez precisaram realizar algo um tanto mais radical.

No mês de maio, a equipe direcionou a sonda robótica para o horizonte e a manteve nessa posição durante uma volta completa em órbita.

  • De que forma os veículos exploradores em Marte poderiam investigar profundas cavernas ainda não exploradas?
  • A NASA acaba de expandir o escudo de calor da sua mais recente nave espacial destinada a Marte.
  • Os pesquisadores desvendaram a razão pela qual uma nuvem marciana de grandes proporções retorna a cada estação da primavera.
  • Durante um período de 6 anos, pesquisadores em Marte dedicaram-se à criação de uma representação extremamente minuciosa do planeta.
  • A sonda da NASA descobre provas evidentes de antigas ondulações em Marte.
Leia Mais:  Durante seis meses, esta equipe da NASA conseguiu sobreviver em Marte.

Sob essa perspectiva, os detalhes da atmosfera podem ser mais bem observados pelos cientistas, como se houvesse uma cobertura de nuvens e partículas de água, ou várias camadas sobrepostas.

“Considero isso como uma visão abrangente, uma representação da atmosfera”, explicou Jeffrey Plaut, cientista do projeto Odyssey, em um comunicado. “Existem muitos aspectos que não podem ser observados de cima, e é assim que o THEMIS normalmente realiza essas medições.”

Odyssey observing Phobos
Imagem: astrovariable/FreeImages

Ao obter imagens atualizadas de Fobos, a equipe teve que assegurar que os painéis solares de Odyssey recebessem luz solar para manter seu fornecimento de energia, ao mesmo tempo em que evitava expor instrumentos sensíveis ao calor excessivo. Para isso, foi necessário direcionar a antena da nave espacial para longe da Terra. Como resultado, durante a operação, houve um período de várias horas em que não foi possível estabelecer comunicação com a Odyssey.

O orbitador, que está em órbita de Marte desde 2001, registrou imagens de Fobos sete vezes para analisar as mudanças de temperatura em toda a superfície da lua marciana.

De acordo com os cientistas, essas pesquisas podem fornecer informações para desvendar o enigma sobre se a lua, com apenas 16 milhas de diâmetro, era anteriormente um asteroide ou se é um fragmento de Marte resultante de uma colisão cósmica antiga.

A Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (NASA) é uma agência governamental dos Estados Unidos responsável pela pesquisa e exploração espacial.