22 de June de 2024

De que forma Oppenheimer conseguiu desenvolver uma bomba atômica antes dos nazistas?

Na Alemanha durante o regime nazista em 1938, os cientistas conseguiram um feito impressionante: eles foram capazes de realizar a divisão de um átomo.

Quando os físicos de Princeton receberam a informação, ficaram extremamente agitados. Além da empolgação com a descoberta, outras consequências se tornaram evidentes rapidamente: não apenas esse evento, conhecido como fissão nuclear, resultou na formação de dois átomos menores, mas também liberou uma quantidade considerável de energia ao romper essas poderosas ligações atômicas. Isso pode indicar a possibilidade de uma bomba atômica.

Os equipamentos do governo começaram a tremer. Poucos meses depois, em abril de 1939, começou o programa alemão de armas nucleares, chamado Uranverein, que contava com a participação de mentes brilhantes como Werner Heisenberg, um físico teórico excepcional. Em agosto, Albert Einstein enviou uma carta ao presidente Franklin Roosevelt, pedindo que acelerasse a pesquisa atômica. Einstein mencionou que os nazistas haviam assumido o controle de minas de urânio na então Tchecoslováquia e deixaram de vender esse material valioso.

A partir de 1943, os Estados Unidos empreenderam um esforço secreto liderado pelo físico J. Robert Oppenheimer para desenvolver uma bomba atômica. Graças ao poder industrial e científico do país, em 1945 eles já haviam construído, testado e utilizado com sucesso essas armas. Enquanto isso, os nazistas estavam muito atrasados nessa tecnologia e ainda não haviam conseguido gerar a reação em cadeia atômica necessária para uma arma desse tipo.

Os nazistas nunca estiveram no poder, mas os Estados Unidos sempre temiam que pudessem estar.

Mark Walker, um historiador especializado na história alemã moderna e suas aspirações nucleares, afirmou à Mashable que havia um grande temor na época. Ele sugere que os alemães possivelmente estavam à frente nesse campo, o que foi o impulso necessário para que continuassem avançando.

Os EUA mostraram-se determinados. Oppenheimer liderou um grupo de renomados físicos do país. O Exército construiu Los Alamos em um local isolado no deserto do Novo México, longe de possíveis espiões e de fácil proteção. Durante os anos de 1943 a 1945, o laboratório atômico foi um local movimentado e histórico, apesar de não ser visível para o público.

The U.S. Army detonated the first atomic bomb 200 miles south of Los Alamos on on July 16, 1945. It was called the "Trinity Test."
Imagem: karvanth/UnPlash

Durante a guerra, os nazistas não conseguiam competir com as habilidades dos Estados Unidos.

Os nazistas intensificam o avanço no desenvolvimento da bomba atômica.

Apesar de terem descoberto a fusão nuclear, os cientistas alemães optaram por utilizar armas convencionais para conquistar os países vizinhos entre 1939 e 1941. Conhecida como Blitzkrieg, ou “guerra relâmpago”, essa estratégia nazista consistia em ataques surpresa e rápidos para derrotar os exércitos inimigos, utilizando uma combinação eficaz de infantaria, tanques, veículos e aviões de bombardeio. O professor Walker, da Union College, explicou que os alemães estavam bem preparados e não necessitavam de armas mais poderosas, conseguindo assim conquistar país após país.

Assim, houve uma mudança nas circunstâncias.

No final de 1941, a União Soviética sofreu uma grande derrota nas mãos dos nazistas, mas não se renderam. Uma longa batalha se seguiu, com os nazistas agora enfrentando a União Soviética, a Grã-Bretanha e os Estados Unidos. No entanto, essa não seria uma guerra rápida. Em 1942, o exército alemão pediu aos cientistas atômicos para estimar quando uma bomba atômica poderia ser desenvolvida, mas descobriram que isso exigiria um esforço industrial massivo com recursos limitados. A dura verdade era que uma bomba não poderia ajudar a causa nazista nesse momento. A pesquisa para criar material físsil para uma bomba continuou em uma escala menor de laboratório. Em vez disso, os militares alemães concentraram seus esforços e recursos na produção de aviões a jato e foguetes, na tentativa de obter uma vantagem tecnológica na batalha.

Leia Mais:  Recursos do iOS 17.1.2: O que está incluído para o seu dispositivo iPhone?

Walker afirmou que era evidente que a Alemanha não tinha a capacidade de produzir armas nucleares durante o período de guerra, pois já estavam sobrecarregados.

An underground Nazi jet plane factory, found by U.S. soldiers.
Imagem: timmossholder/Burst
In 1945, the U.S. and British took apart the German experimental nuclear reactor.
Imagem: xsix/PixaBay

Por sua vez, o esforço das armas nucleares nazistas não conseguia acompanhar Oppenheimer, que rapidamente atravessou os Estados Unidos de trem, convencendo os melhores físicos a se unirem ao seu laboratório subterrâneo. E, de forma crucial, o laboratório de Oppenheimer não agia sozinho. Em Oak Ridge, Tennessee, aproximadamente 50 mil pessoas trabalharam para produzir o material essencial, urânio enriquecido, necessário para a bomba de Los Alamos, enquanto milhares de outros criaram plutônio, outro material físsil, em Hanford, Washington. Incluindo os centenas de milhares de trabalhadores da construção que ergueram esses laboratórios e cidades em crescimento acelerado, “os locais Oak Ridge e Hanford sozinhos empregaram mais de meio milhão de funcionários”, conforme afirmou o Departamento de Energia dos Estados Unidos.

Chris Griffith, fundador do atomicarchive.com, um site educacional sobre a ciência e história da era atômica, afirmou à Mashable que a América utilizou seus recursos, incluindo dinheiro e terras, para criar uma grande fábrica.

Ele afirmou que a Alemanha não possuía a habilidade industrial para competir.

Além disso, a bomba nazista enfrentou dificuldades devido a uma decisão equivocada de um de seus principais físicos nucleares, Walter Bothe, que mais tarde se tornou vencedor do Prêmio Nobel. Ambos concluíram que a grafite, um mineral crucial usado para controlar uma reação em cadeia nuclear, não seria eficiente, o que alguns acreditam ter retardado o progresso dos alemães. No entanto, os físicos do Projeto Manhattan dos Estados Unidos conseguiram realizar uma reação em cadeia utilizando grafite em um porão em Chicago em dezembro de 1942, o que preparou o terreno para o desenvolvimento da bomba.

Entretanto, o historiador Walker ressaltou que é equivocado pensar que o erro de Bothe teve um impacto significativo no projeto da bomba nazista. Na verdade, outros cientistas alemães já suspeitavam que o grafite poderia ser utilizado; o verdadeiro obstáculo era que o regime nazista não conseguia produzir em quantidade suficiente o material essencial e de alta qualidade devido à guerra devastadora.

Oppenheimer formou um time impressionante na área nuclear.

No deserto do Novo México, não havia certeza de que Los Alamos seria capaz de testar uma bomba real de forma tão rápida e bem-sucedida. No entanto, Oppenheimer, apesar de sua fama como teórico (como sua pesquisa inovadora sobre a existência de buracos negros), foi bem-sucedido como líder e recrutador de pessoas talentosas.

Os cientistas mais destacados, como Richard Feynman (que esteve envolvido no desenvolvimento da bomba e posteriormente recebeu o Prêmio Nobel) e o físico do MIT Kenneth Bainbridge (que liderou a primeira demonstração da bomba atômica, conhecida como “Teste Trinity”, a aproximadamente 200 milhas de distância de Los Alamos), expressaram o desejo de participar do projeto. Pesquisadores universitários viajaram por todo o país, seguindo Oppenheimer até a cidade em crescimento, composta principalmente por estradas de terra e cabanas isoladas, para contribuir com a criação de uma arma sem precedentes em meio à guerra mundial.

Griffith, encantado, expressou que não se pode negligenciar o poder de atração da personalidade de alguém. Ele mencionou que essa pessoa possuía um grupo incrível de cientistas a seu lado.

Robert Oppenheimer
Imagem: MaxWdhs/Burst

Oppenheimer percebeu que os pesquisadores precisavam de um local para trocar ideias, para criar esquemas complexos e para examinar objetos cósmicos menores. Ele mencionou a General Leslie Groves, responsável pelo Projeto Manhattan, que Los Alamos precisava de um local onde as pessoas pudessem se comunicar e trabalhar juntas para resolver os problemas relacionados à bomba. Oppenheimer sugeriu que esse local poderia ser em algum deserto na Califórnia ou em qualquer outro lugar, desde que houvesse um ambiente propício para discussões e descobertas.

Leia Mais:  O seu MacBook precisa ser limpo. Aqui está o passo a passo para realizar a limpeza.

Diversos cientistas e engenheiros se dirigiram ao laboratório confidencial localizado no deserto. Conforme mencionado por Hans Bethe, um físico nuclear selecionado por Oppenheimer para liderar a Divisão Teórica do laboratório, “ele nos trouxe o máximo de nossas habilidades.”

A eliminação dos nazistas, o lucro de Oppenheimer.

Os nazistas fizeram a promessa de discriminar os judeus.

Poucas semanas após assumir o controle e estabelecer um regime policial totalitário em 1933, o governo começou a remover os judeus de cargos governamentais, incluindo muitos estudiosos e acadêmicos. Um exemplo disso ocorreu na Kaiser Wilhelm Society for the Advancement of Science, um instituto de pesquisa alemão pioneiro, onde mais de 100 cientistas judeus foram rejeitados pelos nazistas.

No entanto, Oppenheimer foi beneficiado pela derrota dos nazistas.

Vários físicos de origem judaica escaparam do regime autoritário nos anos 30, inclusive alguns que perceberam o perigo iminente e deixaram o país antes da ascensão de Hitler. Einstein, embora não estivesse envolvido no Projeto Manhattan, deixou a Alemanha em 1932 e, por isso, foi alvo de perseguição pelo Estado nazista. “Hitler apenas antecipou a purga antes do início do Projeto Manhattan”, afirmou Griffith, do Atomic Archives.

Daily life and spartan housing at the secretive Los Alamos site.
Imagem: TomasHa73/iStock

De acordo com Walker, os nazistas já não possuíam cientistas alemães com grande capacidade intelectual, mas ainda conseguiram substituir os físicos falecidos em sua pesquisa atômica limitada. Por outro lado, Oppenheimer contou com um grande número de mentes brilhantes em Los Alamos, o que aumentou sua habilidade de criar e testar com sucesso uma bomba sem precedentes.

  • A velocidade da espaçonave da NASA continua a aumentar progressivamente.
  • As fotos raras retratam o cotidiano em Hiroshima antes do lançamento da bomba atômica sobre a cidade.
  • Como será o aquecimento da Terra?
  • O elenco de “Oppenheimer” captura em imagens os momentos mais marcantes do filme.
  • Imagens secretas revelam o derretimento acelerado de enormes massas de gelo.

Walker afirmou que a emigração em massa de cientistas judeus não impediu o esforço alemão, mas sim contribuiu significativamente para o esforço americano.

Para mencionar apenas alguns exemplos:

Hans Bethe, um renomado físico teórico, foi uma figura importante no campo da física nuclear. Ele fez contribuições significativas para a compreensão do funcionamento das estrelas e para o desenvolvimento da teoria do núcleo atômico. Bethe foi premiado com o Prêmio Nobel de Física em 1967 por seu trabalho sobre a produção de energia nas estrelas. Sua influência e contribuições continuam a ser reconhecidas e valorizadas até hoje.

Um professor foi demitido pelos nazistas em 1933, na Universidade de Tübingen, na Alemanha. Em Los Alamos, Bethe teve um papel fundamental ao realizar cálculos sobre a quantidade de material físsil necessária para a reação em cadeia de uma bomba atômica.

Edward Teller, um físico e cientista húngaro-americano, é conhecido por suas contribuições significativas para o desenvolvimento da bomba de hidrogênio e pela sua defesa da energia nuclear. Ele nasceu em 15 de janeiro de 1908 e faleceu em 9 de setembro de 2003. Teller também é conhecido como o “pai da bomba de hidrogênio” devido ao seu papel fundamental no desenvolvimento dessa arma. Ele era um defensor entusiasmado do uso da energia nuclear para fins pacíficos e acreditava que a energia nuclear tinha o potencial de resolver muitos dos problemas energéticos do mundo. Teller foi um cientista prolífico e influente que deixou um legado duradouro na ciência e tecnologia.

Um professor de física na Universidade de Göttingen, chamado Teller, escapou do regime nazista em 1933 com a ajuda do Comitê Internacional de Resgate. Ele foi um dos primeiros cientistas em Los Alamos e fez diversas contribuições significativas para o desenvolvimento da bomba atômica. No entanto, ele também se interessou pela pesquisa de uma arma ainda mais poderosa, conhecida como a “Super” ou bomba de hidrogênio.

Leia Mais:  CES 2024: Este espelho inteligente atua como um guia de prática de mindfulness.

Leo Szilard was a Hungarian-born physicist and inventor who played a key role in the development of nuclear weapons.

Um cientista da Universidade de Berlim, que registrou 29 patentes, escapou da Alemanha na primavera de 1933. Szilard tinha plena consciência das possibilidades da fissão nuclear: “Essas podem levar à geração em larga escala de energia e elementos radioativos, infelizmente também possivelmente para bombas atômicas”, escreveu. O físico desempenhou um papel importante na criação da primeira reação em cadeia atômica do mundo no reator de pesquisa, também mantido em segredo, em Chicago, embora ele não tenha se juntado a Oppenheimer em Los Alamos.

Oppenheimer, on left, helps during the final assembly of the first detonated atomic bomb, called "the gadget."
Imagem: TomasHa73/GettyImages

Também existe uma teoria popularizada de que os nazistas não foram apenas superados em recursos de guerra e pela eliminação de mentes brilhantes. Alguns autores e historiadores sugerem que Heisenberg, o cientista líder do programa de armas atômicas nazistas, deliberadamente obstruiu o avanço da pesquisa – e, no final, impediu Hitler de obter a bomba. Seria possível que o renomado Heisenberg – vencedor do Prêmio Nobel em 1932 e mestre da física teórica – tenha secretamente sabotado o esforço atômico nazista? E quando ele se encontrou com seu mentor físico Niels Bohr em 1941, Heisenberg também pode ter incentivado cientistas aliados a parar de trabalhar em uma arma tão terrível?

É possível que nunca tenhamos certeza. Não existem evidências. No entanto, a história cria uma narrativa épica, afirmou Walker.

Cerca de dois anos e meio após o início das reuniões dos cientistas em Los Alamos, o primeiro teste da bomba atômica foi realizado pelo Exército dos EUA nas áreas isoladas do deserto em 16 de julho de 1945. Segundo relatos da Força Aérea, a explosão foi tão intensa que um indivíduo a 150 milhas ao norte descreveu que iluminou o céu como o sol.

Oppenheimer relata que temos ciência de que o mundo não seria igual.

No mês seguinte, duas bombas foram lançadas pelos EUA sobre as cidades de Hiroshima e Nagasaki, no Japão. Essa ação mortal, que foi considerada necessária na ocasião, deixou Oppenheimer perturbado. Ele afirmou anos depois que o fim da guerra, embora cruel, não foi uma decisão tomada de forma irresponsável. No entanto, a partir daquele momento, ele não tinha mais confiança de que uma alternativa melhor poderia ter sido adotada.

Enola Gay, the B-29 bomber that dropped an atomic bomb on Hiroshima, Japan.
Imagem: TomasHa73/ShutterStock

O filme mais recente de Christopher Nolan, chamado Oppenheimer, traz Cillian Murphy no papel do cientista que dá título à obra. Essa produção lança uma nova perspectiva sobre o homem responsável pelo projeto crucial e que conseguiu superar seus concorrentes nazistas. Além disso, o filme também nos faz refletir sobre uma consequência desconfortável da criação da bomba: a proliferação de armas nucleares. Atualmente, existem 12.512 ogivas nucleares conhecidas em nosso planeta.

“De acordo com John Mecklin, editor-chefe do Boletim dos Cientistas Atômicos, as armas são tão aterrorizantes e perturbadoras que as pessoas evitam pensar nelas. Ele está se referindo ao possível cenário de um fim do mundo.”

Este relato foi inicialmente divulgado em agosto de 2023 e passou por atualizações.