26 de February de 2024

Como a amostra de asteroide da NASA conseguiu sobreviver mesmo diante de uma falha no paraquedas.

Antes da NASA recuperar uma cápsula contendo fragmentos de rocha espacial do deserto, a forma como a missão OSIRIS-Rex pousou parecia perfeita.

Continua após a publicidade

A agência espacial aterrissou a cápsula de forma invertida no Utah Test and Training Range, uma extensa base militar ao sudoeste de Salt Lake City, logo após sua chegada em 24 de setembro. A cápsula não se moveu ou pulou – apenas afundou levemente na terra que estava úmida devido à chuva na semana anterior.

Foi um desfecho positivo para a jornada de sete anos, percorrendo 4 bilhões de milhas até o asteroide Bennu e retornando: Um componente crucial do paraquedas, conhecido como drogue, não funcionou conforme o planejado pela NASA. Dante Lauretta, o cientista líder da equipe, aguardava ansiosamente em um helicóptero nas proximidades e ficou emocionado ao finalmente receber a confirmação de que o paraquedas principal abriu.

Ele falou que esse foi o instante em que percebeu que haviam chegado em casa.

Há pouco mais de dois meses, a equipe conseguiu trazer de volta com sucesso a cápsula de missão OSIRIS-Rex, que significa Origins, Spectral Interpretation, Resource Identification e Security Regolith Explorer. Agora, eles têm algumas explicações para o motivo pelo qual o mecanismo de desaceleração, projetado para ser ativado durante a rápida descida da cápsula para a Terra, não foi acionado no momento esperado.

Cerca de quatro horas antes do pouso, os controladores de voo instruíram a nave espacial a soltar a cápsula enquanto ainda estava a uma distância de 63 mil milhas acima do planeta – um quarto da distância entre a Terra e a lua. Enquanto isso, eles estavam mirando em um alvo no chão com uma área de apenas 250 milhas quadradas. A NASA e a Universidade do Arizona, que liderou a missão, compararam esse desafio a lançar uma bola sobre 10 campos de futebol e acertar perfeitamente na zona mais distante.

Leia Mais:  O veículo explorador da NASA, que tem o mesmo tamanho de um carro, detecta indícios sólidos de presença de água em Marte.

A cápsula viajou em sua máxima velocidade, protegida por um escudo térmico, a uma velocidade de 27.650 mph, enquanto estava envolta em uma explosão de fogo. O drogue deveria ser lançado a uma altitude de aproximadamente 100.000 pés.

Isso não ocorreu.

Ao invés disso, quando a cápsula alcançou a altitude de 100.000 pés, um sinal foi enviado para acionar o sistema de paraquedas e cortar a linha de arrasto – mesmo que a cápsula ainda estivesse em uma inclinação. À medida que a cápsula continuou a descer em queda livre a uma velocidade de ruptura, o paraquedas menor eventualmente foi implantado cerca de 9.000 pés acima do solo. No entanto, como a linha de arrasto já havia sido cortada, o paraquedas apenas se separou.

Mesmo com essa falha, o paraquedas primário foi acionado corretamente a uma altura de 10.000 pés. Graças ao seu design resistente, o paraquedas conseguiu estabilizar a cápsula para um pouso suave, embora tenha ocorrido cerca de um minuto antes do programado, conforme informado pela NASA.

Qual foi o problema?

Qual foi o motivo pelo qual o paraquedas OSIRIS-Rex não foi ativado?

Engineer inspecting the landed asteroid sample capsule
Imagem: driles/DepositPhotos

Resumindo, de acordo com a NASA, um possível erro pode ter causado os chutes a dispararem fora de ordem. Isso foi identificado após uma revisão do vídeo de aterrissagem e da documentação. O manual de design continha instruções confusas, utilizando a palavra “principal” de forma inconsistente para se referir tanto ao dispositivo que envia os sinais elétricos de gatilho quanto ao dispositivo que recebe os sinais.

De acordo com a NASA, a palavra “principal” foi utilizada no lado do sinal para se referir ao paraquedas principal. Por outro lado, no lado do receptor, “principal” foi empregado para descrever um dispositivo pirotécnico que é acionado para liberar a capa do paraquedas e implantar o drogue.

Leia Mais:  O telescópio Webb observou algo incomum em Urano.

Quando os engenheiros ativaram os dois mecanismos que poderiam ter acionado o paraquedas, a sequência ocorreu de forma incorreta.

NASA handling the asteroid sample container
Imagem: TomasHa73/iStock

Deseja receber mais informações sobre ciência e tecnologia em seu email? Cadastre-se na newsletter “Principais Histórias da Mashable” hoje mesmo.

  • A NASA solicitou auxílio para uma missão e o Vaticano prontamente ofereceu sua ajuda.
  • Descobrindo o motivo do nome peculiar do asteroide Bennu e outros detalhes interessantes.
  • A NASA conseguiu trazer de volta para a Terra as primeiras amostras de asteroides provenientes do espaço sideral.
  • A NASA está enviando um satélite espacial a uma distância de 63 mil milhas acima da Terra.

A NASA verificará isso por meio de testes no sistema dos paraquedas. A análise apropriada é um processo crucial para a agência, evitando a ocorrência de erros que possam ser prevenidos no futuro.

A agência espacial não pode realizar o teste imediatamente, pois não tem acesso ao hardware necessário. Atualmente, o hardware está armazenado em uma caixa de luvas limpa no Johnson Space Center da NASA em Houston. Depois que os cientistas terminarem de processar a amostra do asteroide, os engenheiros poderão recuperá-la.

NASA analyzing an asteroid sample canister
Imagem: xsix/Burst

Qual o motivo pelo qual a NASA não tem a capacidade de abrir o recipiente de amostra OSIRIS-REx?

No entanto, isso pode levar algum tempo. A equipe encontrou dificuldades ao abrir a lata que continha a maior parte da amostra de rocha e poeira. Enquanto isso, os cientistas estão examinando o material que vazou para fora do recipiente externo, para análise. Mais de 60 gramas desse material têm um valor significativo, o que excedeu as expectativas da agência. Alguns desses fragmentos foram enviados para diferentes instituições para fins de pesquisa.

Em uma atualização recente, os funcionários da NASA informaram que o fecho superior do recipiente, que inicialmente se acreditava conter cerca de meio pound ou o equivalente a um copo de detritos, está travado. Dois dos 35 grampos estão presos e as ferramentas dentro da caixa de luvas estéril não conseguiram abri-los.

Leia Mais:  Descubra como acompanhar as transmissões ao vivo das principais apresentações da CES 2024, incluindo Sony, Samsung e outras marcas.

A equipe está atualmente empenhada em desenvolver novas estratégias para aprimorar o material.

De acordo com a NASA, qualquer ferramenta utilizada para extrair o material restante da cabeça deve ser de tamanho adequado para caber dentro da caixa de luvas e não deve comprometer a integridade científica da coleção. Além disso, todos os procedimentos devem estar em conformidade com os padrões da sala limpa.

A Agência Espacial Nacional dos Estados Unidos, conhecida como NASA, é uma organização responsável pela pesquisa e exploração espacial.