20 de June de 2024

Qual é a definição de cometas? As histórias ocultas de bolas de gelo no espaço, devidamente esclarecidas.

Ninguém possui conhecimento sobre como nosso planeta se transformou em um ambiente habitável, com a capacidade química de criar diferentes formas de vida. No entanto, os especialistas acreditam que os cometas que vagam pelo espaço podem ter as respostas para isso.

Assim como um asteroide, um cometa gira em torno do Sol. Este último é uma esfera formada por gelo, poeira e rochas que se originaram nas partes mais distantes do sistema solar. Esses objetos gelados têm existido desde os estágios iniciais da formação do planeta, há aproximadamente 4,6 bilhões de anos. À medida que se aproximam do Sol, o gelo desses corpos começa a se desintegrar, transformando-se rapidamente de sólido para gás, passando pelo estado líquido.

As pessoas que não são especialistas às vezes confundem estrelas cadentes, que também são chamadas de meteoros, com cometas porque ambos apresentam um brilho visível aos humanos. No entanto, os cometas são reconhecidos por suas caudas alongadas, que são formadas por detritos de gelo, poeira e dióxido de carbono que se vaporizam ao longo de milhões de quilômetros.

No vídeo da NASA, Ryan Park, um especialista em asteroides próximos da Terra, explica de forma resumida as características distintas das rochas espaciais: “Os asteroides são compostos por rochas, os cometas são feitos de gelo e os meteoros são consideravelmente menores, sendo as estrelas cadentes que se observam no céu.”

Há muitos séculos, os cometas eram vistos como sinais negativos. De acordo com a lenda, o Papa Calisto III teria excomungado o Cometa de Halley em 1456, acreditando que ele era uma ferramenta do diabo. No entanto, em um artigo de 1908 publicado na Astronomia Popular, um padre católico refutou essa história mitológica.

Atualmente, os especialistas os denominam como objetos congelados que remontam à antiguidade do sistema solar. Esses corpos celestes são frequentemente comparados a recipientes que guardam informações valiosas ao longo do tempo.

Leia Mais:  Qual é a razão da personalidade do Mark Zuckerberg?

De acordo com a NASA, os cometas podem ter transportado água e compostos orgânicos, que são os elementos fundamentais para a vida, para a formação inicial da Terra e outras regiões do sistema solar.

Quantos corpos celestes do tipo cometa estão presentes no sistema solar?

À medida que 2023 chegou ao seu término, havia mais de 3.900 cometas identificados. De acordo com os astrônomos, é provável que haja muitos outros cometas em órbita ao redor do Sol, além de Netuno, localizados no Cinturão de Kuiper ou na Nuvem de Oort, que é a borda externa do sistema solar e está aproximadamente 50 vezes mais distante do Sol. Acredita-se que a Nuvem de Oort seja uma esfera composta por objetos antigos e gelados que envolvem o sistema solar. No entanto, a NASA afirma que a existência dessa nuvem ainda é uma teoria, pois os cometas têm sido muito fracos e distantes para serem observados diretamente.

Cometas podem ser desviados de sua órbita original no sistema solar exterior devido à influência gravitacional de outros corpos celestes, fazendo com que sejam direcionados em direção ao Sol. À medida que o cometa aumenta sua velocidade, ele orbita ao redor do Sol. Caso sobreviva a essa aproximação, o cometa retorna à sua órbita original.

A duração de uma única órbita de um cometa pode variar de centenas a milhões de anos, dependendo de sua origem. Um exemplo disso é o cometa Bernardinelli-Bernstein, que segue uma órbita oval de 3 milhões de anos e se afasta do sol a uma distância de meio ano-luz.

Astronomers explaining the Kuiper Belt
Imagem: xsix/StockVault

Deseja receber mais informações sobre ciência e tecnologia diretamente em seu email? Inscreva-se na newsletter Light Speed da Mashable hoje mesmo.

Qual é o cometa de maior tamanho já descoberto até o momento?

Em 2022, o Bernardinelli-Bernstein se tornou destaque quando pesquisadores confirmaram que ele é o maior cometa já observado, tendo um comprimento equivalente a três maratonas de ponta a ponta. Utilizando o Telescópio Espacial Hubble, uma equipe de cientistas da NASA e da Agência Espacial Europeia determinou que o núcleo do cometa – a parte sólida e congelada – possui aproximadamente 85 milhas de largura.

Leia Mais:  Webb faz uma descoberta sobre o sistema estelar próximo, indicando que ele passou por um evento traumático recentemente.

Isso é aproximadamente 50 vezes maior do que o tamanho médio de um cometa conhecido e 40% maior do que o cometa em questão. O recorde anterior para o maior cometa era o C/2002 VQ94, que tinha um núcleo estimado em 60 milhas de diâmetro.

Comparing comet nucleus sizes
Imagem: MaxWdhs/ShutterStock

Os cientistas afirmam que a importância da escala de Bernardinelli-Bernstein, cuja massa é de 500 trilhões de toneladas, reside em sua capacidade de fornecer uma indicação sobre o tamanho de outros cometas que orbitam nas regiões distantes do nosso sistema solar.

“Segundo David Jewitt, astrônomo da UCLA, este cometa representa apenas uma pequena amostra dos milhares de cometas que são tão pouco brilhantes que não conseguimos vê-los nas partes mais afastadas do sistema solar.”

  • O que significa uma estrela cadente? Não se preocupe, você não é o único que está confuso.
  • O maior cometa já observado foi confirmado pelo telescópio Hubble da NASA.
  • Caçadores amadores de asteroides mantêm a vigilância para evitar ameaças de rochas espaciais.
  • Não deixe de observar o cometa Nishimura antes que ele se perca na luminosidade solar.
  • Em breve, será possível avistar o cometa verde no céu. Ainda é possível observá-lo.

Qual é a razão por trás da cor verde de certos cometas?

No mês de janeiro de 2023, houve grande interesse global em um cometa chamado C/2022 E3 (ZTF) devido à sua cor peculiar, sendo apelidado de “o cometa verde” devido à sua tonalidade esmeralda. A coloração é resultado do carbono presente na nuvem de gás que envolve o núcleo do cometa, conhecida como coma.

O cometa não era tão impressionante como o NEOWISE que retornou em 2020, sendo o cometa mais brilhante desde Hale-Bopp nos anos 90. No entanto, ainda era uma chance única de presenciar um fenômeno espacial que não ocorrerá novamente por mais de 50 mil anos.

Leia Mais:  No desafio da esfera CES 2024, qual foi o dispositivo que capturou as melhores fotos, o iPhone ou o Android?

Nos últimos tempos, diversos veículos espaciais têm realizado investigações detalhadas sobre cometas. Em 2006, a missão Stardust da NASA trouxe amostras do Cometa Wild-2 para nosso planeta. Essas partículas continham uma grande quantidade de hidrocarbonetos, que são compostos químicos considerados os elementos essenciais para a formação da vida tal como a conhecemos.

A missão conjunta entre a Agência Espacial Europeia e a NASA, chamada Rosetta, lançou uma sonda no núcleo do Cometa 67P Churyumov-Gerasimenko e o orbitou por dois anos. Durante esse período, a missão europeia também encontrou componentes essenciais para a vida.

Rosetta mission studying Comet 67P Churyumov-Gerasimenko
Imagem: stephmcblack/KaboomPics

Os cientistas que estudam cometas estão empregando o Telescópio Espacial James Webb, que é uma colaboração entre a NASA, ESA e a Agência Espacial Canadense, para investigar esses objetos celestes utilizando luz infravermelha, que não pode ser percebida pelos olhos humanos. O telescópio está localizado a aproximadamente 1 milhão de milhas da Terra, em órbita ao redor do Sol.

Nestas faixas de comprimento de onda, os pesquisadores analisarão a estrutura química da poeira e do gás emitidos pelo núcleo de um cometa, com o objetivo de determinar sua composição, explicou Heidi Hammel, cientista planetária, em uma declaração da NASA. A intenção é descobrir se todos os cometas do sistema solar têm uma origem comum e evoluem de maneira diferente, ou se eles já são quimicamente distintos desde o início.

“Se essa substância for considerada primitiva, ela fornecerá algumas indicações sobre como o sistema solar se formou inicialmente”, afirmou ela.

Agencia Espacial Americana, NASA.